24°
Máx
17°
Min

Unicentro implementa projeto-piloto do programa de Moradia Estudantil

Objetivo é dar condições para que os estudantes com baixa renda familiar possam concluir os estudos (Foto: Divulgação) - Unicentro implementa projeto-piloto do programa de Moradia Estudantil
Objetivo é dar condições para que os estudantes com baixa renda familiar possam concluir os estudos (Foto: Divulgação)

A Unicentro tem trabalhado desde o início do ano na consolidação das práticas já existentes e na implementação de novas ações de assistência estudantil. O objetivo é dar condições para que os estudantes com baixa renda familiar possam permanecer na graduação até a conclusão do curso. Uma dessas medidas é a moradia estudantil, que vai ser implantada a partir de um projeto piloto.

Nessa fase inicial, são ofertadas dez vagas, todas para acadêmicas do sexo feminino, matriculadas em cursos presenciais ofertados pelo campus Cedeteg. Para concorrer, as estudantes devem comprovar renda familiar menor que um salário mínimo e meio, ou incompatível com as despesas para a permanência em Guarapuava.

Segundo o professor responsável pelo Setor de Assistência Estudantil, Marcos Pelegrina, o maior critério do processo de seleção é o socioeconômico, procurando beneficiar, assim, aqueles alunos que mais precisam. “O processo de seleção vai ser acompanhado pela assistente social, que é a profissional técnica responsável por isso. Devido à nossa legislação, é ela quem vai acompanhar, fazer praticamente toda a seleção. E a comissão de apoio estudantil vai homologar as inscrições das estudantes, depois que ela fizer toda essa avaliação”.

As casas vão ter gestão própria das moradoras. “As estudantes vão ter que se organizar, tudo tem que ser decidido em assembleia. A casa vai contar com várias comissões, de limpeza, de administração, vai ter uma presidente. Então, vai ser feito tudo por elas. Cabe a Universidade pagar o aluguel, água e luz”, explica Pelegrina.

As acadêmicas selecionadas irão pagar uma taxa de 25 reais, que será utilizada para a manutenção da própria casa. O dinheiro vai ser arrecado pela FAU (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Unicentro), e as meninas vão decidir o que fazer com ele em assembleias.

Giulia Banhos Rodrigues, veio de Campinas, São Paulo, para cursar Enfermagem na Unicentro. Ela conta que nesse primeiro ano de faculdade está encontrando dificuldades para se manter em Guarapuava e que, por isso, vai concorrer a uma das vagas. “Só minha mãe trabalha. Aí, ela tem que manter a casa em Campinas e outra aqui, já que eu não tenho como trabalhar porque o curso é integral”.

Ao mesmo tempo em que esse projeto-piloto está sendo implementado, o Setor de Assistência Estudantil e a Reitoria, já trabalham para a efetivação de mais vagas. Até o fim do ano, o objetivo é que as casas nos campus Santa Cruz e Irati já estejam prontas, atendendo alunos do sexo feminino e masculino.

Para o reitor, professor Aldo Nelson Bona, o projeto piloto é apenas um primeiro passo. “Já há ações de busca para ampliar o número de vagas do projeto de moradia estudantil. Estamos buscando outros espaços, estamos buscando outras alternativas. Nós queremos que isso dê certo, funcione bem”.

As estudantes interessadas em uma vaga na casa universitária devem se inscrever até o dia 12 de agosto, nos protocolos das unidades da Unicentro. O resultado final será publicado no site da Unicentro em 16 de setembro.

Colaboração Assessoria de Imprensa.