26°
Máx
19°
Min

Ajuda humanitária começará a ser enviada à Síria nesse fim de semana


O secretário de Estado dos Estados Unidos John Kerry afirmou neste sábado que a ajuda humanitária que será enviada à Síria como parte do acordo de cessar-fogo deve começar a chegar ao país neste fim de semana. Na última quinta-feira (11), potências mundiais entraram em acordo hoje sobre um cessar-fogo na Síria dentro de uma semana.

"Os caminhões estão prontos e as permissões estão sendo concedidas, o fluxo deve começar hoje ou amanhã", afirmou Kerry durante a Conferência de Segurança que acontece em Munique.

Pelo acordo alcançado nessa semana, uma força-tarefa foi estabelecida para supervisionar a ajuda humanitária às cidades sitiadas. Outro grupo, presidido pela Rússia e pelos Estados Unidos, vai definir os termos do cessar-fogo e a sua implementação ao longo da próxima semana. No entanto, nem o presidente sírio Bashar al-Assad nem sua oposição aprovaram formalmente o acordo.

Kerry disse que é importante aproveitar essa oportunidade para tentar encerrar os combates. Ele repetiu a posição dos Estados Unidos de que uma resolução política definitiva depende da retirada de Assad do poder.

O secretário de exterior do Reino Unido, Philip Hammond, também disse esperar a chegada da ajuda humanitária nas próximas 24 a 48 horas, mas se mostrou menos confiante sobre a duração do cessar-fogo. "Francamente, vai depender do que a Rússia quiser", disse ele. "Nas últimas semanas, a Rússia bombardeou posições de opositores moderados", acusou.

Hammond disse que a não ser que a Rússia pare ou reduza de forma significativa os bombardeios, a retomada de negociações políticas para a resolução do conflito é improvável.

A Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que as entregas devem ser feitas a seis cidades, incluindo Deir Ezzour, sitiada pelo Estado Islâmico, duas vilas de maioria xiita na província de Idlib sitiadas pelos rebeldes e em algumas cidades cercadas pelo governo de Damasco.

A ONU não mencionou a cidade de Alepo ou suas imediações, onde representantes afirmam que a situação humanitária está se deteriorando sob a ofensiva a favor do regime, auxiliada pela força aérea russa.

O acordo fechado nessa semana dá ao presidente da Rússia Vladimir Putin e a seus aliados tempo suficiente para consolidar ganhos recentes no campo aéreo ao redor de Alepo, o que deve dificultar os esforços para retirar Assad do poder. Fonte: Dow Jones Newswires.