22°
Máx
17°
Min

Ao menos 46 morrem na Síria após ataque aéreo a reduto do Estado Islâmico

Ao menos 46 pessoas, entre elas crianças, morreram neste sábado na Síria após ataques aéreos atingirem o vilarejo de Qourieh, no leste do país, controlado pelo grupo Estado Islâmico, de acordo com o grupo Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede no Reino Unido. Segundo a organização, dos 46 mortos, 31 eram civis. Já no norte da Síria, centenas de curdos foram atacados por membros do Estado Islâmico enquanto fugiam de aldeias em poder do grupo extremista, segundo ativistas.

Em Qourieh, no leste da Síria, os ataques foram promovidos por aviões russos, segundo o ativista sírio que atualmente vive na Europa, Omar Abu Leila, e tinham como alvo uma mesquita. A Rússia negou ter estabelecido civis como alvos. Qourieh faz parte da província de mesmo nome, na fronteira com o Iraque, e é quase totalmente controlada pelo Estado Islâmico.

Na província de Aleppo, no norte da Síria, centenas de curdos fugiram à medida que as Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla em inglês), milícia predominantemente curda que conta com o apoio dos Estados Unidos, entraram em confronto com o Estado Islâmico em Manbij, reduto estratégico do grupo extremista. De acordo com o chefe do Observatório, Rami Abdurrahman, combatentes do Estado Islâmico abriram fogo contra os civis que tentavam fugir Manbij, matando inclusive crianças. O SDF entrou na cidade a partir de sua divisa ao sul, tomando silos de grãos e quatro moinhos, reportou a entidade.

O êxodo em Aleppo teve início após o Estado Islâmico ter capturado cerca de 900 civis curdos nas últimas três semanas, obrigando-os a construir fortificações em retaliação ao ataque liderado pelos curdos, que também miram outra área controlada pelo Estado Islâmico, chamada al-Bab. Alguns curdos também vêm sendo usados por integrantes do Estado Islâmico como escudos humanos.

Desde sexta-feira, mais de 120 curdos foram sequestrados pelo Estado Islâmico, de acordo com Abdurrahman. Ele informou ainda que os extremistas vêm alertando os que fogem do local de que "serão punidos" caso tentem retornar a suas casas. Caso Manbij venha a ser tomada pelas Forças Democráticas da Síria, será a maior derrota do Estado Islâmico desde julho de 2015, quando o grupo extremista perdeu o controle da cidade fronteiriça de Tal Abyad. Fonte: Associated Press.