22°
Máx
14°
Min

BoE tem £ 250 bilhões disponíveis e Carney acena com medidas adicionais

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) anunciou que tem 250 bilhões de libras esterlinas - mais de R$ 1,1 trilhão - disponíveis para oferecer em liquidez extra ao mercado para o período de "incerteza e ajuste" gerado pelo Brexit. A afirmação foi dada pelo presidente da casa, Mark Carney, que também citou que há "substancial liquidez em moeda estrangeira" à disposição. Em um dia de pânico nos mercados, Carney repetiu três vezes em um breve discurso que, caso seja necessário, o BoE tomará medidas adicionais de política.

"Inevitavelmente, haverá um período de incerteza e ajuste após esse resultado", disse Carney no discurso feito na sede do BC inglês. "É esperada volatilidade de alguns mercados e da economia enquanto esse processo se desenrola. Mas nós estamos preparados para isso", disse.

A principal arma exibida por Carney foi a gigantesca liquidez à disposição da casa. "Para apoiar o funcionamento dos mercados, o Banco da Inglaterra está pronto para oferecer mais de 250 bilhões de libras", disse. "O banco também pode oferecer substancial liquidez em moeda estrangeira, se necessário". Nesta manhã, o setor bancário foi duramente castigado com a aversão ao risco e ações de alguns grandes bancos, como Barclays, Lloyds Bank e Royal Bank of Scotland (RBS), chegaram a perder 25%.

Apesar de anunciar que tem um quarto de trilhão de libras à disposição, Carney disse que a banca inglesa está bem preparada para o período de transição. Ao longo dos últimos sete anos, explicou, o BoE tomou medidas para reforçar o capital do sistema financeiro. "O requerimento de capital dos nossos maiores bancos agora é dez vezes maior que o de antes da crise", disse. "Como resultado dessas ações, os bancos britânicos aumentaram o capital em mais de 130 bilhões de libras e agora há mais de 600 bilhões de libras em liquidez em ativos de alta qualidade".

Além da liquidez, Carney deixou claro que está aberta a porta para outras medidas de política monetária. "O banco não hesitará em tomar medidas adicionais, se necessárias, conforme avançar o ajuste do mercado e da economia britânica", disse. "Nas próximas semanas, o banco avaliará as condições econômicas e considerará qualquer resposta adicional de política", disse. Alguns analistas avaliam que o BoE poderia cortar o juro como forma de minimizar o impacto negativo gerado pelas incertezas relacionadas ao Brexit.

O presidente do BoE explicou que o reforço de capital e a liquidez disponível dão aos bancos a flexibilidade necessária para que continuem emprestando a empresas e famílias britânicas. "Mesmo em tempos desafiadores", disse. Carney disse ainda que, enquanto as negociações sobre a saída da União Europeia avançam, "a melhor contribuição que o Banco da Inglaterra pode dar ao processo é garantir implacavelmente nossas responsabilidades para a estabilidade monetária e financeira".