21°
Máx
17°
Min

Cofundador do Facebook promete US$ 20 milhões para democratas derrotarem Trump

Com uma promessa de US$ 20 milhões para ajudar a derrotar Donald Trump, o bilionário cofundador do Facebook Dustin Moskovitz é um dos maiores doadores democratas da eleição presidencial norte-americana. O empresário do Vale do Silício considera o candidato presidencial republicano perigoso e divisivo e diz que seus apelos aos americanos que se sentem deixados para trás é "muito possivelmente uma trapaça deliberada". Por outro lado, para ele, os democratas e sua candidata, Hillary Clinton, estão disputando "com uma visão de otimismo, pragmatismo, inclusão e benefício mútuo", disse.

Até agora, Moskowitz fez apenas uma contribuição para a campanha federal, de US$ 5,2 mil, em 2013, para o democrata Sean Eldridge. Marido de outro cofundador do Facebook, Eldridge concorreu, sem sucesso, para uma cadeira no Congresso pelo estado de New York. Mas ele escreveu sobre suas planejadas novas contribuições democratas em uma postagem no site Médium com o título "Compelidos a agir". "Como uma nação, temos de descobrir como trazer todos conosco, e acreditamos que a plataforma democrática atualmente está mais alinhada com a garantia de que isso aconteça", escreveu. "Em comparação, as promessas de Donald Trump para este grupo são muito possivelmente uma trapaça deliberada, uma tentativa de reunir energia e apoio sem a capacidade ou intenção de entregar. Suas propostas são tão implausível que a nação é forçada a se preocupar que o seu interesse na presidência pode nem mesmo se estender para além de vencer um concurso e promover a sua marca pessoal."

Apenas o bilionário Tom Steyer doou mais este ano para os democratas que Moskowitz, de acordo com os registros financeiros da campanha. Ele colocou quase US$ 40 milhões até agora para promover questões ambientais e ajudar a eleger Clinton e outros democratas.

Trump tem lutado para ganhar força na elite de tecnologia. Mas os republicanos trabalharam durante anos para fortalecer a relação do partido com esse setor. O cofundador da Oracle, Larry Ellison, deu US$ 5 milhões para um comitê de ação política de apoio ao senador republicano da Flórida Marco Rubio na primária. Mas não fez qualquer contribuição presidencial depois que Rubio desistiu. A executiva-chefe da Hewlett Packard (HP), Meg Whitman, republicana, despreza tanto Trump que se comprometeu a investir um montante significativo em Hillary, a quem anunciou apoio no mês passado.

Um dos poucos líderes do setor de tecnologia a apoiar Trump é o cofundador da PayPal Peter Thiel, que falou na convenção nacional republicana em Cleveland e foi um delegado de Trump. No entanto, o bilionário, que direcionou mais de US$ 2,4 milhões para esforços para eleger o candidato republicano Ron Paul, há quatro anos, não tinha anotado para a campanha Trump mais que um cheque de US$ 201 até o final de julho, segundo mostram os registros.

Trump fez algumas viagens para o norte da Califórnia para angariar fundos, enquanto Hillary foi para lá há um pouco mais de duas semanas e regressa na próxima semana.

Fonte: Associated Press