24°
Máx
17°
Min

Coreia do Norte ameaça e diz que armas nucleares devem estar prontas para o uso

(Foto: Divulgação)  - Coreia do Norte ameaça e diz que armas nucleares devem estar prontas para o uso
(Foto: Divulgação)

O ditador norte-coreano, Kim Jong Un, afirmou que as armas nucleares do país devem estar disponíveis para uso a qualquer momento, segundo a imprensa estatal. A declaração é uma mostra da escalada retórica do regime de Pyongyang, após os Estados Unidos agirem para impor novas sanções contra a Coreia do Norte.

O país frequentemente ameaça atacar a Coreia do Sul e os EUA e já disse antes que tem capacidade de colocar explosivos nucleares em mísseis. Não há consenso entre os especialistas sobre se Pyongyang tem mísseis capazes de transportar ogivas nucleares, ainda que militares norte-americanos acreditem que isso possa representar uma ameaça para o território dos EUA.

A ordem foi dada por Kim durante um exercício militar na quinta-feira, no qual a Coreia do Norte disparou seis mísseis de curto alcance no mar, segundo a notícia da imprensa estatal. "A única maneira de defender a soberania de nossa nação e seu direito à existência na atual situação extrema é reforçar a força nuclear tanto em qualidade quanto em quantidade e manter o equilíbrio de forças", afirmou Kim.

O ditador ressaltou a necessidade de manter ogivas nucleares prontas para eventuais disparos a qualquer momento, segundo a agência de notícias central coreana. Estima-se geralmente que a Coreia do Norte tenha 12 pequenos explosivos nucleares.

A retórica de Kim é vista após uma votação unânime do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, nesta semana, para ampliar as sanções contra a Coreia do Norte, a fim de forçar Pyongyang a desistir de seu programa nuclear. As sanções defendidas pelos EUA são adotadas em resposta ao quarto teste nuclear do país, em 6 de janeiro, e pelo lançamento de um foguete de longo alcance em 7 de fevereiro. Em comunicado separado hoje, a Coreia do Norte afirmou que "rejeita categoricamente" a ação da ONU e defendeu sua decisão de realizar os testes. Fonte: Dow Jones Newswires.