21°
Máx
17°
Min

Cruz escancara divisões no Partido Republicano ao não declarar apoio a Trump

O senador Ted Cruz foi o centro das atenções ontem, no penúltimo dia da Convenção do Partido Republicano, ao se recusar a declarar apoio ao candidato Donald Trump, que o venceu nas primárias. Ele recebeu vaias de delegados e deixou à mostra a profunda divisão entre conservadores tradicionais e o candidato populista.

Em um discurso dramático um dia após Trump ser oficialmente nomeado o candidato do partido, o senador pelo Estado do Texas parabenizou o empresário pela vitória e seguiu sua fala sem nunca mais mencioná-lo.

O episódio mostra as divisões que complicam os esforços de campanha de Trump para unificar o partido antes de entrar no que se espera ser uma eleição geral bastante complicada contra a adversária democrata, Hillary Clinton.

A Cruz, foi dado um tempo de discurso maior do que o de todos os outros adversários do milionário no partido. A ideia era tentar desarmar o conflito entre os republicanos após meses de tentativas de bloquear a candidatura de Trump.

A recusa dramática de Cruz em declarar apoio ao candidato, que durante as prévias chegou a insultar sua família e ofendeu seus princípios conservadores, por outro lado, deve melhorar a imagem do senador entre muitos dos que lutavam para barrar o empresário.

Em seu perfil no Twitter, Trump reagiu ao discurso de Cruz. "Uau, Ted Cruz foi vaiado no palco". O candidato afirmou também que soube, com duas horas de antecedência, que Cruz não iria apoiá-lo em sua fala, mas "deixou-o discursar ainda assim".

O mais próximo que Cruz chegou de declarar seu apoio foi uma exortação branda ao voto. "Por favor, não fique em casa em novembro. Levante, fale e vote conforme sua consciência, pelos candidatos da lista que você confia e que defenderão a liberdade e o respeito à Constituição."

A plateia foi ao delírio. No entanto, ao passo que foi ficando claro que Cruz não iria declarar seu apoio a Trump, muitos dos presentes começaram a cantar "Trump, Trump, Trump!". Outros vaiaram o senador texano.

Muitos dos antigos apoiadores de Cruz, no entanto, também estavam entre os que chacoalhavam a cabeça, em reprimenda ao seu gesto. Matt Schultz, ex-secretário de Estado em Iowa e presidente da campanha de Cruz no Estado, afirmou que está apoiando Trump e espera que a maioria da coalizão o faça eventualmente.

"Para proteger a Suprema Corte, temos que votar em Donald Trump", disse Schultz. "Mesmo Ted entende que, para proteger este país, precisamos de alguém que não seja Hillary Clinton indicando nomes para compor a Suprema Corte." Fonte: Dow Jones Newswires.