21°
Máx
17°
Min

Eleição na Espanha fracassa em clarificar futuro político do país

A nova eleição realizada neste domingo na Espanha não conseguiu esclarecer o futuro político da quinta maior economia da União Europeia, já que os principais partidos ficaram aproximadamente com os mesmos votos conquistados em dezembro passado, quando a dificuldade na formação de um governo levou a seis meses de impasse.

O conservador Partido Popular, que governou o país pelo últimos quatro anos, mais uma vez obteve a maior parte dos votos, mas ainda ficou aquém dos 176 assentos de que necessita no Parlamento de 350 assentos para formar um governo por conta própria.

Com 97% dos votos apurados na noite de domingo, o partido do primeiro-ministro Mariano Rajoy ganhou 137 assentos. É um número maior que os 123 que obteve em dezembro, mas ainda vai precisar de aliados se quiser governar. Anteriormente os seus esforços para encontrar o apoio de partidos rivais depois de dezembro foram infrutíferos.

O Partido Socialista, de centro-esquerda, ficou em segundo lugar, com 22,75% dos votos e 85 cadeiras do Parlamento, de acordo com a contagem pelo Ministério do Interior do país. O partido conquistou cinco cadeiras menos do que seis meses atrás, mas foi o suficiente para manter sua influência.

A aliança Unidos Podemos, que uniu o partido Podemos, de dois anos de idade, criado em meio ao movimento de protestos populares, os comunistas e os ambientalistas - ficou com a terceira posição, com 71 assentos. A aliança, liderada pelo professor de ciência política Paul Igrejas, tinha a esperança de ultrapassar os socialistas e quebrar o país tradicionalmente bipartidário, tendo em vista que o Partido Popular e os socialistas se alternaram no poder durante décadas.

O partido Ciudadanos ficou em quarto lugar, com 32 lugares. Outros, partidos menores ganharam o resto dos votos.

Como nenhum partido conseguiu votos suficientes para formar um governo sozinho, os políticos terão agora que regressar à mesa de negociações, o que pode mais uma vez se provar difícil em uma Espanha que nunca teve um governo de coalizão. Partidos de oposição disseram que não iriam apoiar um governo liderado por Rajoy por causa de escândalos de corrupção.

O analista da consultoria de risco Teneo Intelligence Antonio Barroso disse que espera duras negociações entre as partes nas próximas semanas. "Esperava-se que esta eleição traria clareza e que um governo seria formado rapidamente, mas eu não acho que é assim que vai ser", disse. Ele considera que uma terceira eleição é uma possibilidade, embora os políticos estarão

sob pressão para evitar isso.

(Fonte: Associated Press)