22°
Máx
16°
Min

EUA: presidente do comitê democrata renuncia após vazamento de e-mails

A presidente do Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês) renunciou neste domingo, depois que uma coleção de e-mails foi divulgada mostrando funcionários do comitê trabalhando para minar a campanha presidencial do senador Bernie Sanders. Debbie Wasserman Schultz, uma congressista da Flórida, disse em comunicado que iria renunciar ao seu posto no DNC no final da convenção desta semana. Ela afirmou que ainda iria abrir e fechar a reunião e iria falar aos delegados.

"Minha primeira prioridade sempre foi servir o povo do 23º distrito da Flórida e espero continuar a fazer isso como membro do Congresso nos próximos anos", disse em um comunicado. Mas ela afirmou que a "melhor maneira" para cumprir seu objetivo era a renunciar. Dada a antipatia que centenas de delegados de Sanders que estarão no salão nutrem por ela, é provável que ela seja vaiada quando subir ao palco.

Sanders há tempos acusa Wasserman Schultz de favorecer sua oponente nas primárias democratas, Hillary Clinton, e queria que ela fosse demitida. Mas a campanha de Clinton juntou-se a ela e a expectativa era de que ela resistiria até o fim de seu mandato, que expira após a eleição de novembro.

Na última sexta-feira, porém, o site WikiLeaks divulgou um banco de dados de mais de 19 mil e-mails supostamente enviados por funcionários do Comitê Nacional Democrata entre o início de 2015 e meados de 2016. Os e-mails supostamente mostram tentativas de funcionários do DNC de minar a campanha de Sanders.

Em um e-mail a colegas, um alto funcionário do DNC escreveu, em uma aparente referência a Sanders: "Ele patinou em dizer que tem uma ascendência judaica. Acho que li que ele é ateu. Isso poderia fazer vários pontos de diferença com meus amigos".

Falando à rede CNN, Sanders descreveu o suposto e-mail questionando suas crenças religiosas como "ultrajante, mas não um grande choque". "Muitos, muitos meses atrás eu deixei claro que Debbie Wasserman Schultz deveria renunciar, não só por causa do preconceito que eles mostraram durante a campanha, mas também porque precisamos de uma nova liderança no Partido Democrata", disse.

Ao longo deste domingo, a pressão pela saída de Wasserman Schultz cresceu e funcionários da campanha de Hillary conversaram com ela, negociando uma saída.

No mês passado, a o DNC NC disse que seus sistemas de computador tinham sido comprometidos por hackers ligados ao governo russo duas vezes durante o ano passado. Autoridades russas desmentiram a constatação. "Eu rejeito completamente a possibilidade de o governo ou as estruturas governamentais estarem envolvidas nisso", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, na época.

O assessor de campanha de Trump, Paul Manafort, disse que as publicações do WikiLeaks provaram que Bernie Sanders "nunca teve chance" na campanha primária. "O WikiLeaks revelou claramente o que Sanders foi dizendo e o que Donald Trump tem dito", disse Manafort à emissora ABC, que o sistema é manipulado contra estranhos.

Manafort também rejeitou indicações feitas pela campanha de Hillary de que Trump tenha laços com Vladimir Putin e que os russos poderiam indevidamente influenciar sua campanha. "Isso é um absurdo e não há nenhuma base para isso", disse. O filho de Trump, Donald Trump Jr., considerou as alegações como "repugnantes" e "muito falsas". "Eu não consigo pensar em mentiras maiores", disse Trump à CNN em uma entrevista.

Fonte: Dow Jones News