24°
Máx
17°
Min

Governo de Bachelet é o pior avaliado desde a volta da democracia ao Chile

O governo da presidente Michelle Bachelet é o pior avaliado desde o retorno da democracia ao Chile em 1990, cuja aprovação está na casa dos 15%, enquanto a desaprovação atingiu 66%, de acordo com um estudo divulgado nesta sexta-feira pelo Centro de Estudos Públicos (CEP).

A aprovação da presidente recuou nove pontos porcentuais, na comparação com a sondagem de dezembro de 2015. A desaprovação, por sua vez, avançou oito pontos, de acordo com o CEP, o instituto de pesquisas mais respeitado do país.

A insatisfação dos chilenos vai muito além do governo. Para 68% das pessoas ouvidas, a "situação política geral" do país está ruim ou muito ruim, dez pontos a mais que há oito meses.

O CEP entrevistou 1.416 pessoas em todo Chile, entre 9 de julho e 7 de agosto. A margem de erro é de três pontos porcentuais e o nível de confiança da pesquisa chega a 95%, segundo a ficha técnica da pesquisa.

Coordenador do programa de opinião pública do CEP, Ricardo González disse em entrevista coletiva que o atual governo de Bachelet recebeu uma nota negativa de 3,3, em uma escala de 1 a 7. Na primeira gestão dela, entre 2006 e 2010, a nota foi de 4,8, a mais alta recebida pelos seis governos democráticos eleitos após o fim da ditadura militar (1973-1990).

A presidente sofreu com um escândalo que envolvia seu filho mais velho, Sebastián Dávalos, e a nora, Natalia Compagnon. O caso começou no ano passado, após se descobrir um negócio imobiliário do casal, que obteve um empréstimo de US$ 10 milhões e comprou um terreno que posteriormente foi vendido por US$ 15 milhões.

Ainda que a transação não tenha sido ilegal, foi considerada antiética por políticos do país. Bachelet levou quase duas semanas para prestar esclarecimentos sobre o caso e poucas pessoas acreditaram que ela tenha sabido apenas pela imprensa dos negócios da nora, dona de 50% da empresa que comprou e vendeu os terrenos agrícolas.

Deputados e senadores de todo o espectro político não aparecem melhor, na avaliação dos eleitores. Eles receberam nota 2,65, na escala até 7. O trabalho da coalizão opositora de centro-direita recebeu aprovação de 10% e o da governista, de 8% dos consultados. Fonte: Associated Press.