27°
Máx
13°
Min

Grupo Abu Sayyaf liberta refém norueguês nas Filipinas

Extremistas do grupo Abu Sayyaf libertaram neste sábado um norueguês que tinha sido sequestrado há um ano no sul das Filipinas, segundo autoridades do país. Kjartan Sekkingstad foi libertado no vilarejo de Patikul, na província de Sulu, e depois ficou sob custódia de rebeldes da Frente Moro de Libertação Nacional, que assinou um acordo de paz com o governo e ajudou a negociar a libertação.

Sekkingstad, mantido refém na selva desde que foi sequestrado, em setembro do ano passado, passaria a noite na casa do líder da Frente Moro, Nur Misuari, em Sulu, e no domingo se encontraria com o presidente do país, Rodrigo Duterte, disse Jesus Dureza, assessor de Duterte em negociações de paz com grupos rebeldes.

Um plano para retirar Sekkingstad de Sulu, uma região de selva a 950 quilômetros de Manila, neste sábado foi descartado por causa do mau tempo.

Ainda não se sabe se houve pagamento de resgate. Duterte sugeriu durante coletiva de imprensa no mês passado que 50 milhões de pesos (US$ 1 milhão) tinham sido pagos aos militantes. Neste sábado, militares disseram que ataques incessantes obrigaram os extremistas a libertar o refém.

O chefe das forças armadas, general Ricardo Visaya, ameaçou aniquilar o grupo caso os outros reféns - um observador de pássaros holandês e dois tripulantes de um rebocador, um da Indonésia e outro da Malásia - não sejam libertados.

Embora Duterte tenha buscado negociações de paz com a Frente Moro de Libertação Nacional, ordenou que os militares destruíssem o Abu Sayyaf, um grupo menor porém mais violento que, segundo o presidente, quer estabelecer um Estado Islâmico ou califado no país.

Sekkingstad foi sequestrado em uma marina na ilha Samal, no sul do país, em 21 de setembro de 2015, junto com os canadenses John Ridsdel e Robert Hall e a namorada filipina de Hall, Marites Flor. O Abu Sayyaf pediu uma enorme quantia para libertá-los, e divulgou vídeos em que ameaçava os reféns. Ridsdel foi decapitado em abril e Hall, em junho, após o fim do prazo para o pagamento do resgate. Flor foi libertada em junho.

Forças do governo lançaram uma grande ofensiva contra o grupo após a decapitação dos canadenses, que foi condenada pelo então presidente filipino, Benigno Aquino III, e pelo primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau. Fonte: Associated Press.