24°
Máx
17°
Min

Hillary e Sanders fazem debate mais intenso da campanha democrata nos EUA

(Foto: Hillary Clinton.com) - Hillary e Sanders fazem debate mais intenso da campanha democrata nos EUA
(Foto: Hillary Clinton.com)

Os pré-candidatos à presidência dos EUA pelo partido Democrata se enfrentaram fervorosamente sobre a política econômica no estado de Michigan em um debate no domingo à noite, organizado pela CNN, com a pré-candidata Hillary Clinton atacando seu rival Bernie Sanders (senador de Vermont) por se opor ao plano de resgate da indústria automotora, enquanto Sanders acusou Hillary de ter apoiado acordos comerciais que levaram à realocação industrial, deixando milhares de pessoas sem emprego, como os trabalhadores da cidade de Detroit, por exemplo.

Ambas as questões foram destinadas diretamente sobre Michigan, que hospeda sua primária presidencial na terça-feira. O estado é o lar de grandes fabricantes de automóveis domésticos que se beneficiaram com o resgate de 2009, mas também perdeu postos de trabalho, quando as empresas deixaram o estado.

No sétimo debate democrata, que teve o confronto mais intenso até o momento, os candidatos se interromperam repetidamente, acusando-se mutuamente de hipocrisia. No fim de semana, Sanders ganhou os caucuses em Nebraska, Kansas e Maine; Hillary venceu em Louisiana, que teve a maior contagem de delegados.

Os dois pré-candidatos também se uniram contra o governador republicano de Michigan, Rick Snyder, responsável por um escândalo na área da saúde, no qual foi pedida a sua renúncia. Desde o fechamento da fábrica da General Motors na região em 2008, mais de 8 mil crianças em Flint - uma cidade de maioria negra e atingida pela pobreza e criminalidade - foram envenenadas com chumbo por mais um ano, antes que a contaminação fosse descoberta por ativistas.

Questionada sobre um possível confronto futuro com o principal pré-candidato republicano Donald Trump, Clinton disse que ela não iria "entrar na sarjeta" com quem os republicanos nomearem e previu que "a intolerância de Trump, suas provocações e sua arrogância não vão cair bem no povo americano".

O senador de Vermont permaneceu no agressivo com Hillary, que lidera a corrida por delegados. Ele criticou seu registro e a acusou de ceder aos interesses de Wall Street pedindo para que ela libere as transcrições de seus discursos.

A assistência para a indústria foi incluído no Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp, na sigla em inglês), uma medida de possibilita o governo comprar até US$ 700 bilhões em ativos de instituições financeiras. A votação no Senado para liberar a segunda metade desses fundos vieram nos dias finais do governo George W. Bush, e as empresas de automóveis e os seus apoiadores disseram que as empresas teriam que ir embora sem um pacote de resgate.

"O dinheiro estava lá e teve que ser lançado no fim para salvar a indústria automobilística americana", disse Hillary, ex-senadora por Nova York. "Eu votei para salvar a indústria automobilística. Ele votou contra o dinheiro", acrescentou.

Sanders defendeu seu voto, dizendo que a legislação também incluía dinheiro para socorrer empresas de Wall Street. Ele disse que não estava disposto a dar dinheiro dos contribuinte para essas empresas por causa do que ele chamou de sua própria imprudência, ganância e comportamento ilegal.

"Que os bilionários socorram Wall Street", disse ele. "Eu seria condenado se fossem as pessoas que trabalham neste país tivessem que socorrer os vigaristas de Wall Street".

Sanders tomou uma postura agressiva desde o início, particularmente pelo apoio de Hillary a alguns acordos de livre comércio, como o Nafta, que aliviou as regras do comércio com o México e outros países e foi assinado pelo ex-presidente Bill Clinton e apoiados por Hillary Clinton quando ela era primeira-dama.

"Você não precisa de um Ph.D. em economia para entender que os trabalhadores americanos não devem ser forçados a competir com as pessoas no México que fazem 25 centavos por hora", disse Sanders.

Em cada caso, Hillary respondeu que "se nós estamos indo para discutir sobre a década de 1990, então vamos falar também sobre a criação de emprego robusto naquela época e o aumento amplo dos salários", destacou a pré-candidata. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.