21°
Máx
17°
Min

Líderes da Europa discutem crise síria com Putin, em busca de trégua duradoura

Os líderes de Alemanha, França, Itália e Reino Unido pediram ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, que trabalhe por avanços na trégua na Síria, com o objetivo de abrir caminho para discussões sobre uma paz mais duradoura no país em uma reunião na próxima semana em Genebra, de acordo com o governo britânico.

Durante uma teleconferência iniciada pelos líderes europeus, Putin disse que a Rússia estava comprometida com a interrupção das hostilidades na Síria, segundo uma porta-voz do primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron. Os líderes europeus elogiaram a trégua durante o telefonema, mas não discutiram a delicada questão do papel do presidente Bashar al-Assad no futuro da Síria, informou a funcionária.

A porta-voz disse que o governo de Londres elogiava o fato de que todos os líderes mostraram perceber que há uma oportunidade de criar um impulso para a paz na Síria. Segundo ela, a conversa foi franca entre as autoridades.

Começou a vigorar no último sábado a trégua impulsionada pelos Estados Unidos e pela Rússia entre o regime sírio e a oposição. Os dois lados trocam, porém, acusações de que ela tem sido violada. O cessar-fogo representa o maior esforço em anos para acalmar o quadro, em uma guerra que já matou mais de 250 mil pessoas e forçou milhões a fugirem de suas casas.

O enviado especial da Organização das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, disse na terça-feira que a próxima rodada de negociações de paz havia sido atrasada em dois dias, para 9 de março. Representantes do governo sírio e da oposição devem participar do diálogo, que pode durar até três semanas.

No telefonema desta sexta-feira, houve uma mensagem clara dos líderes europeus - a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, François Hollande, o premiê italiano, Matteo Renzi, e Cameron - de que os civis na Síria não devem ser alvos de ataques, disse a porta-voz do premiê do Reino Unido. A funcionária acrescentou que os líderes também discutiram como melhorar o acesso humanitário no país, durante a teleconferência que durou 50 minutos.

A porta-voz acrescentou que Cameron também argumentou durante a conversa que era de comum interesse chegar a uma transição política para a paz na Síria, a fim de derrotar o Estado Islâmico e a ameaça mais ampla do extremismo islâmico. Fonte: Dow Jones Newswires.