27°
Máx
13°
Min

Merkel, Renzi e Hollande discutem futuro da UE após saída do Reino Unido

O primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, François Hollande, se reuniram nesta segunda-feira para discutir o futuro do projeto da União Europeia, após a decisão dos eleitores do Reino Unido de deixar o bloco. O trio colocou flores sobre o túmulo de Altiero Spinelli no cemitério da ilha italiana de Ventotene.

Spinelli era um intelectual que foi um dos escritores de um manifesto que pedia nos anos 1940 uma federação de Estados europeus para conter o nacionalismo que levou à guerra. O Manifesto Ventotene é considerado uma inspiração para o federalismo europeu.

Renzi convidou Merkel e Hollande para lembrar a Europa sobre os ideais dos fundadores da UE. O encontro tinha como intenção também discutir como fomentar o crescimento econômico, reforçar a segurança e criar novas opções para a juventude europeia, entre outros pontos. O local da reunião em si também foi simbólico: a bordo do navio italiano Garibaldi, que coordena a operação de resgate de refugiados e imigrantes do bloco europeu. "Dois símbolos em um: valores idealistas e compromisso concreto", afirmou Renzi nesta segunda-feira em sua newsletter semanal. Segundo ele, a intenção é que a União Europeia, após a saída do Reino Unido (o chamado Brexit), possa "relançar os poderosos ideais de unidade e paz, liberdade e sonhos, diálogo e identidade".

Merkel mostra-se pouco entusiasmada com a possibilidade de mudanças grandiosas na UE, preferindo fazer as coisas funcionarem melhor que buscando reformas estruturais. A França, por sua vez, busca maior integração e Hollande é um forte defensor de uma união europeia nos esforços de defesa, como desejado pela Itália. Porém a campanha presidencial francesa pode atrapalhar esse esforço e deve representar um impulso para o sentimento contra a UE.

Renzi disse que a Europa quer "escrever um futuro capítulo", após a saída do Reino Unido da UE, com foco na defesa comum, na segurança e no crescimento econômico, especialmente para lidar com o desemprego entre os jovens. A autoridade italiana disse que a melhora no setor de segurança e no compartilhamento de inteligência é uma "prioridade absoluta" para a Europa no momento em que enfrenta a violência extremista.

Hollande ressaltou em particular a necessidade de esforços comuns de defesa europeia, depois de uma série de ataques na França e em outros países do continente.

Após o encontro, Merkel disse que a UE precisa aprofundar o compartilhamento de informação de inteligência a fim de combater as crescentes ameaças do terrorismo islâmico e da guerra civil síria. Fontes: Dow Jones Newswires e Associated Press.