23°
Máx
12°
Min

Ministro turco afirma que 6 mil pessoas foram presas após tentativa de golpe

O ministro da Justiça da Turquia diz que cerca de 6.000 pessoas foram detidas em uma ofensiva do governo contra pessoas acusadas pela tentativa de golpe e opositores do governo. O ministro da Justiça Bekir Bozdag disse em uma entrevista na televisão que "a (operação de) limpeza continua. Cerca de 6.000 detenções foram feitas. O número pode até ultrapassar 6.000".

Bozdag disse também que está confiante de que o clérigo islâmico Fethullah Gulen seja enviado dos Estados Unidos de volta para a Turquia. O presidente turco responsabilizou Gulen e seus seguidores pelo fracassado golpe militar na sexta-feira noite, mas Gulen negou qualquer envolvimento ou conhecimento sobre a tentativa de golpe. Os EUA dizem que vão levar em conta qualquer evidência Turquia apresentar contra Gulen, e julgar de acordo com essas evidências.

Bozdag diz que "os Estados Unidos podem se enfraquecer o protegendo, isso poderia prejudicar a reputação do país. Eu não acho que neste momento, os Estados Unidos protegeriam alguém que realizou este ato contra a Turquia".

Orações foram feitas simultaneamente em 85.000 mesquitas da Turquia ao meio-dia (horário local) para reunir o país para defender sua democracia e honrar os mortos durante a tentativa de golpe. Na sexta, foram feitos apelos contínuos para que a população se movimentasse contra o golpe.

O golpe fracassado, que teve caças sobrevoando instalações-chave do governo e tanques circulando nas principais cidades da Turquia na noite de sexta, terminou horas mais tarde, quando as forças leais ao governo, incluindo militares e a polícia, recuperaram o controle e civis tomaram as ruas em apoio ao presidente Recep Tayyip Erdogan.

Pelo menos 265 pessoas foram mortas e mais de 1.400 ficaram feridas. Autoridades do governo dizem que pelo menos 104 conspiradores foram mortos. Fonte: Associated Press