21°
Máx
17°
Min

Mulher que sequestrou bebê há 20 anos é condenada à prisão na África do Sul

Uma mulher sul-africana que sequestrou uma recém-nascida de um hospital há quase 20 anos e registrou a menina como sendo a sua filha foi condenada a 10 anos de prisão.

O juiz John Hlophe da Cidade do Cabo anunciou a sentença, dizendo que a sequestradora, que atualmente possui 52 anos, foi condenada por ter causado "imensa dor aos pais biológicos cujo bebê lhes foi tirado", disse uma agência de notícias africana.

A jovem que foi raptada quando bebê é enfermeira e é chamada por seus pais biológicos e pela mídia de Zephany. Depois que ela foi encontrada, a menina escolheu continuar a usar o nome dado pela sua sequestradora. Para proteger sua privacidade, um juiz ordenou que seu nome dado pela sequestradora não fosse usado pela mídia.

Hlophe criticou o sequestrador por manter a sua versão de que ela tinha comprado a bebê de uma mulher que lhe disse que seus pais biológicos não queriam a criança. "No mínimo, seria de se esperar que você se desculpasse, mas você não escolheu fazer isso", informou agência de notícias citando Hlophe.

A família da sequestradora condenada mandou beijos para ela, uma vez que ela foi conduzida segurando um celular após a condenação, de acordo com a agência. Ele também relatou um

confronto entre a família da sequestradora e a família biológica de Zephany.

"Ela pertence a nós", disse Chantall Berry, tia de Zephany. "Ela tem nosso DNA. Seu DNA nunca vai mudar", acrescentou.

Zephany se reuniu no ano passado com seus pais biológicos, Morne e Celeste, após a segunda filha do casal fazer amizade com uma menina na escola que parecia com ela. Uma investigação policial e testes de DNA mostraram que as duas meninas eram irmãs e que a nova amiga, na verdade, era a criança desaparecida.

Seus pais biológicos estavam no tribunal nesta segunda-feira para assistir a condenação, mas Zephany não foi. Não foi permitido que ela tivesse contato com a sequestradora, embora ela tenha ido morar com o marido da mulher que a sequestrou, que ela pensava ser seu pai biológico. Fonte: Associated Press.