22°
Máx
17°
Min

Obama deve revelar trechos secretos de relatório sobre o 11 de setembro

(Foto: PA2 Thomas Sperduto) - Obama deve revelar trechos secretos de relatório sobre o 11 de setembro
(Foto: PA2 Thomas Sperduto)

A administração Obama provavelmente vai revelar em breve parte de um capítulo secreto de 28 páginas da investigação do Congresso sobre os atentados de 11 de setembro de 2001, que podem lançar luz sobre possíveis conexões sauditas dos terroristas.

Os documentos, mantidos em uma sala segura no porão do Capitólio, contêm informações do inquérito parlamentar sobre "fontes específicas de apoio estrangeiro para alguns dos sequestradores do 11 de setembro, enquanto eles estavam nos Estados Unidos".

Bob Graham, que era co-presidente dessa comissão bipartidária que investigou o atentado no Congresso, afirma que o documento levanta suspeita sobre os sauditas. Segundo o ex-senador democrata da Flórida, um funcionário do governo disse que membros da inteligência vão decidir nas próximas semanas sobre a liberação de pelo menos partes dos documentos. A divulgação viria em um momento de tensão nas relações dos EUA com a Arábia Saudita, um aliado americano de longa data.

"Espero que a decisão seja a de honrar o povo americano e disponibilizar o relatório", disse Graham a um programa da rede de TV NBC neste domingo. "A questão mais importante e sem resposta sobre o 11 de setembro é: essas 19 pessoas executaram esse plano altamente sofisticado sozinhas, ou tiveram apoio?".

Tim Roemer, que era membro tanto da comissão parlamentar de inquérito quanto da Comissão 9/11, e que leu o capítulo secreto três vezes, descreveu as 28 páginas como um "relatório policial preliminar".

"Havia pistas. Houve alegações. Houve relatos de testemunhas. Havia evidências sobre os sequestradores, sobre as pessoas com quem se encontraram - todos os tipos de coisas que a Comissão 9/11 tinha, na época, o dever de rever e investigar", disse na última sexta-feira o ex-congressista democrata de Indiana.

Quinze dos 19 sequestradores eram cidadãos da Arábia Saudita. O governo saudita diz que foi "injusta e morbidamente acusado de cumplicidade" pelos ataques, que luta contra extremistas e trabalha para reprimir seus canais de financiamento. Ainda assim, os sauditas dizem há muito tempo que aprovam a divulgação das 28 páginas porque "nos permitiria responder a todas as alegações de uma forma clara e com credibilidade".

As páginas foram retidas a partir do relatório de 838 páginas, sobre as ordens do presidente George W. Bush, com o argumento de que o lançamento poderia divulgar fontes e métodos de inteligência. Mas acredita-se que o resguardo das relações diplomáticas entre EUA e Arábia Saudita também tenha sido um fator.

Ben Rhodes, vice-conselheiro de segurança nacional do presidente Barack Obama, revelou que o presidente pediu ao Diretor Nacional de Inteligência, James Clapper, para rever o sigilo destas páginas.

Nem a investigação do Congresso nem a Comissão 9/11 encontrou qualquer evidência de que o governo saudita ou funcionários sauditas conscientemente apoiaram aqueles que orquestraram os ataques que mataram quase 3.000 pessoas. Mas Graham, os familiares das vítimas e alguns legisladores acham que há razões para investigar possíveis ligações entre os terroristas e os sauditas.

Roemer alega que muitas questões permanecem sobre o papel desempenhado por Fahad al Thumairy, um funcionário do consulado saudita em Los Angeles, que supostamente ajudou dois dos sequestradores a encontrar moradia e transporte depois que eles chegaram ao sul da Califórnia. Posteriormente, Al Thumairy teve sua entrada nos EUA negada, em maio de 2003, depois que o Departamento de Estado alegou que ele poderia estar envolvido em atividades terroristas. Roemer também quer saber mais sobre Omar al Bayoumi, suspeito de ser um espião da Arábia, e que foi acusado de ter sido útil para os sequestradores. Fonte: Associated Press