22°
Máx
16°
Min

Premiê da Islândia pode cair, após vazamentos sobre conta offshore dele

O futuro político do primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, está ameaçado, diante dos supostos vínculos dele com uma conta offshore nas Ilhas Virgens Britânicas. Gunnlaugsson será alvo nesta segunda-feira de uma moção de censura no Parlamento, após reportagens da imprensa vincularem ele e sua mulher a uma conta criada com o auxílio do escritório de advocacia Mosak Fonseca, sediado no Panamá e que está no centro de um grande vazamento de informações sobre suposta evasão tributária.

A revelação envolvendo o premiê islandês é relativa à companhia offshore Wintris Inc., estabelecida por Gunnlaugsson supostamente em 2007, junto com a mulher dele, Anna Sigurlaug Palsdottir.

Diante da notícia, a oposição convocou a moção de censura contra o governo de centro-direita. Há protestos marcados para ocorrer diante do Parlamento. Chefe do Partido Progressista, de centro-direita, Gunnlaugsson chegou ao poder em 2013, com mandato previsto de quatro anos, cinco anos após a Islândia sofrer um colapso financeiro.

O premiê supostamente vendeu a metade da companhia para a mulher por US$ 1 em 31 de dezembro, um dia antes de uma nova lei islandesa entrar em vigor. Essa lei exigiria que ele declarasse ser dono da Wintris, uma potencial causa de conflito de interesses.

A ex-premiê Johanna Sigurdardottir já pediu a renúncia do atual primeiro-ministro. A popular presidente do Partido Pirata, Birgitta Jonsdottir, também disse que ele deve deixar o cargo.

A Islândia é um país com apenas 330 mil habitantes. Vista anteriormente como uma estrela econômica no cenário internacional, a nação sofreu um colapso financeiro quando seus principais bancos foram à falência em um período de poucos dias, em 2008. Fonte: Associated Press.