22°
Máx
16°
Min

Príncipe-herdeiro é proclamado novo rei da Tailândia

(Foto: Divulgação) - Príncipe-herdeiro é proclamado novo rei da Tailândia
(Foto: Divulgação)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O príncipe-herdeiro Maha Vajiralongkorn foi proclamado oficialmente rei da Tailândia nesta quinta-feira (1º), mais de um mês depois da morte de seu pai, Bhumibol.

"Gostaria de aceitar o convite [para virar rei] pelo bem de toda a população tailandesa", disse Vajiralongkorn em pronunciamento transmitido pela TV. "Esta sucessão real salienta o desejo por estabilidade e continuidade na Tailândia."

O novo rei não será, no entanto, coroado imediatamente. A cerimônia só pode ser realizada após a cremação de Bhumibol, que certamente não será realizada em menos de um ano.

O príncipe de 64 anos provocou surpresa ao solicitar, horas após a morte de seu pai, em 13 de outubro, um "prazo" antes de chegar ao trono.

Bhumibol reinou por 70 anos e era muito amado na Tailândia. Para a maioria dos tailandeses, Bhumibol foi o único rei que conheceram.

O rei Bhumibol reafirmou a influência da monarquia sobre um sistema político dominado pelos militares, e ganhou estatura como símbolo de continuidade durante décadas de rápido desenvolvimento econômico e turbulência política.

O príncipe Vajiralongkorn, 64, ainda não atrai adoração semelhante à que o Bhumibol recebia dos tailandeses, e manteve grande discrição ao longo da maior parte de sua vida adulta. Isso mudou de 2014 para cá, quando ele passou a cuidar de porção maior das tarefas do monarca, substituindo seu pai doente.

Vajiralongkorn nasceu em 28 de junho de 1952 e é o segundo filho do rei Bhumibol -o único menino entre os quatro filhos do rei e da rainha Sirikit.

Ele estudou em escolas privadas do Reino Unido e da Austrália, e se formou no Royal Military College Duntroon, em Camberra.

Ele assume o trono em um momento tumultuado para a Tailândia e sua monarquia.

As forças armadas derrubaram um governo eleito em 2014 e impuseram calma política a um país dividido por uma década de conflitos entre a elite monárquica, apoiada pelos militares, e forças políticas populistas.