24°
Máx
17°
Min

Regime da Síria retoma controle da cidade de Palmira e expulsa Estado Islâmico

Beirute, (AE) - As forças do regime sírio retomaram o controle da cidade antiga de Palmira dos militantes do Estado Islâmico, neste domingo. A vitória oficial ocorreu após semanas de confrontos, segundo a imprensa estatal e um grupo de monitoramento partidário da oposição.

Alguns ativistas disseram que ainda havia confrontos em andamento em algumas ruas. Segundo eles, o Estado Islâmico permanece no controle de alguns poucos bairros.

A retomada de Palmira significa a primeira vitória importante do regime do presidente da Síria, Bashar al-Assad, contra o grupo extremista muçulmano sunita. Além disso, a área pode se converter em uma base para alcançar outras zonas controladas pelos militantes no leste do país.

Uma intensificação da campanha aérea do regime e aviões russos apoiados por uma ofensiva em solo levaram os militantes a se retirar, segundo o grupo Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, sediado em Londres.

Na sexta-feira, as forças do regime, com o apoio de aviões russos e militantes libaneses do grupo Hezbollah tomaram a parte antiga de Palmira, segundo a imprensa estatal. A partir disso, passaram a avançar rumo a áreas residenciais.

O Estado Islâmico se esforçou muito para manter o controle de Palmira, cidade na província central de Homs e onde estão alguns dos locais mais venerados do Oriente Médio. A cidade foi tomada pelo grupo em maio passado.

Palmira é a principal cidade de uma rodovia que liga cidades controladas pelo governo, como Homs e a capital, Damasco, a Deir Ezzour, uma cidade dividida entre o regime e o Estado Islâmico. A cidade antiga de Palmira fica ainda em uma região de estradas que levam para o Iraque, onde militantes controlam algumas passagens fronteiriças entre os territórios sírio e iraquiano, e também de estradas que seguem para o sul da Jordânia.

O grupo extremista já usou as ruínas arqueológicas de Palmira como cenário para execuções, além de destruir várias dessas ruínas. Os militantes destruíram, por exemplo, o Templo de Bel, de 2 mil anos, qualificado pela Unesco como uma das mais importantes edificações religiosas daquela era. Para os extremistas, esses locais promovem a idolatria. A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, disse na quinta-feira que desejava ir à Síria e avaliar os estragos na cidade "assim que as condições de segurança permitam". Fonte: Dow Jones Newswires.