23°
Máx
12°
Min

Síria: EUA e Rússia devem cooperar para combater EI e grupos ligados a al-Qaida

Após chegar a um acordo de cessar-fogo na Síria, Estados Unidos e Rússia estão trabalhando em cooperação para combater o grupo Estado Islâmico e movimentos ligados a al-Qaida na Síria, de acordo com novas informações obtidas neste sábado depois de mais uma maratona de reuniões entre o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o chanceler russo, Sergey Lavrov, realizadas para definir o papel dos dois países para acabar com o complexo conflito na Síria.

O cessar-fogo, previsto para começar na próxima segunda-feira (12), dependerá do cumprimento do trato tanto por forças russas que têm apoiado o presidente sírio Bashar al-Assad, como por grupos rebeldes que vinham recebendo suporte dos EUA, além do apoio de potencias regionais como Turquia, Irã e Arábia Saudita, ligadas direta ou indiretamente aos conflitos no país nos últimos cinco anos e meio.

"Acreditamos que o acordo tal qual está concebido - se implementado e cumprido - tem potencial para trazer um momento de mudanças, um divisor de águas", declarou Kerry após ele e Lavrov terem definido os detalhes das ações. "É apenas o começo de nossas novas relações, afirmou Lavrov em relação aos EUA.

Com o acordo, EUA e Rússia pretendem interromper os conflitos em território sírio de modo que o processo de paz mediado pela Organização das Nações Unidas (ONU), há muito tempo suspenso, seja retomado. Para tanto, Washington precisa persuadir rebeldes sírios a romper com o Fath al-Sham, grupo associado à al-Qaida até então conhecido como Frente Nusra e que tem sido confundido com forças apoiadas pelos EUA. Já Moscou deverá pressionar o governo de Assad a suspender todas as ofensivas contra a oposição armada em áreas específicas, que não foram detalhadas.

Se o cessar-fogo for cumprido durante uma semana e a entrega de ajuda humanitária, sem restrições, for feita em locais em conflito, o próximo passo será EUA e Rússia compartilharem informações e coordenarem novas ações com o objetivo de combater tanto o Estado Islâmico como a Frente Nusra. Além disso, forças aéreas e terrestres de Assad também ficariam proibidas de combater alvos do Fath al-Sham, restringindo-se apenas a ações contra o Estado Islâmico.

"Após sete dias, vamos criar um centro onde ambos os países terão seus militares separando opositores moderados e terroristas. Ataques conjuntos serão realizados em seguida aos acordos contra esses terroristas", disse Lavrov.

Kerry detalhou outros passos que governo e rebeldes deverão adotar dentro do acordo, como a retirada de zonas desmilitarizadas e a permissão do trânsito de civis e ajudas humanitárias, especialmente em Aleppo.

Para alguns observadores, o acordo carece de mecanismos de implementação. Em teoria, a Rússia pode ameaçar agir contra grupos rebeldes que venham a romper com o acordo. Mas se forças de Assad bombardearem alvos da oposição, é pouco provável que os EUA adotem qualquer medida, dado a posição contrária de Obama a alimentar uma guerra civil.

O acordo entre EUA e Rússia se dá apenas um ano após o presidente dos EUA, Barack Obama, ter criticado Putin pela intervenção militar da Rússia na Síria, designada, na avaliação de oficiais dos EUA, a manter Assad no poder e atingir forças oposicionistas moderadas. Já a Rússia se irritou com a ajuda financeira e militar concedida pelos EUA a grupos que se misturaram com a Frente Nusra (agora Fath al-Sham) durante os conflitos. Kerry declarou que seria "sábio" de parte das forças de oposição se separar completamente da Nusra, pelo que foi elogiado por Lavrov.

O nível das negociações entre os EUA e a Rússia desagradou diversos líderes de segurança nacional em Washington, incluindo o secretário de Defesa Ash Carter o diretor de Inteligência Nacional James Clapper. Após o anúncio feito em Geneva, o secretário do Pentágono Peter Cook declarou endossar a iniciativa e advertiu que "estará observando de perto a implementação do acordo nos próximos dias". Fonte: Associated Press.