22°
Máx
17°
Min

União Europeia envia comitiva ao Irã e promete esforços para estreitar relação

A diretora de política externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, disse neste sábado que o bloco vai trabalhar para ajudar o Irã a tomar máximo proveito do levantamento de sanções econômicas que impediam o país de acessar o sistema financeiro internacional.

Em missão da UE no Irã, a diretora afirmou ao ministro das Relações Exteriores do país, Javad Zarif, de que o bloco tem "grande interesse" em aprofundar os laços econômicos e que as relações financeiras são a base para atingir este objetivo.

"Estamos fazendo o máximo para garantir aos nossos sistemas financeiro e bancário que apoiamos o engajamento comercial e financeiro com o Irã", afirmou.

Desde a implementação do acordo nuclear iraniano, na segunda quinzena de janeiro, com a retirada sanções nas áreas de energia, comércio e finanças, oficiais iranianos têm reclamado da postura de grandes bancos europeus, que têm evitado trabalhar com o país.

Na sexta-feira, o presidente do Banco Central do Irã, Valiollah Seif, alertou que, caso os benefícios prometidos com o fim das sanções não se confirmem, o acordo pode ficar sob risco.

Representantes do governo iraniano têm apontado para uma continuidade unilateral das sanções por parte dos Estados Unidos, algo que poderia afastar bancos europeus, avaliam. Representantes norte-americanos e europeus afirmam que as relações financeiras com o Irã têm crescido, ainda que tivessem alertado Teerã sobre o tempo necessário para aprofundar os laços.

Neste sábado, Zarif afirmou que espera verificar "benefícios tangíveis" ao Irã e pediu que os EUA cumpram as promessas "não apenas no papel, mas em termo práticos".

A visita da comitiva europeia a Teerã é a maior em anos, completando um processo de retomada das relações após o levantamento das sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e pela UE devido ao programa nuclear iraniano.

Enquanto isso, governos na UE têm disputado contratos de negócio com o Irã em áreas como aviação, setor automotivo e energia. Fonte: Dow Jones Newswires.