22°
Máx
14°
Min

72% dos moradores em situação de rua de Maringá são homens pretos e pardos

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil) - 72% dos moradores em situação de rua são homens pretos e pardos
(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Uma pesquisa feita pelo Observatório Social das Metrópoles aponta que 88% dos moradores em situação de rua são homens em Maringá, sendo que 72% se declaram pretos ou pardos. Além disso, o estudo mostrou que a maior parte deles tem entre 30 e 55 anos e convive com o vício no álcool.

Uma audiência pública realizada na quarta-feira (27) discutiu a população em situação de rua, no Paço Municipal. A coordenadora do Observatório, Ana Lúcia Rodrigues, contou que o evento deu andamento a um debate iniciado em outubro do ano passado, com a reunião de diversos órgãos que trabalham com esse público e também a comunidade em geral.

A pesquisa foi realizada em dezembro do ano passado, por meio de uma amostragem colhida em 24h. Ana Lúcia colocou que os principais motivos que levam uma pessoa a ficar nas ruas são desentendimentos familiares, divórcios e problemas associados ao alcoolismo e outras dependências químicas.

“São pessoas que vivem em uma condição muito precária. A grande maioria não quer continuar nas ruas, mas não tem outra condição. Não conseguem encontrar um caminho para retornar ao convívio com a comunidade”, avaliou.

A presidente do Observatório argumenta que é preciso a implantação de políticas públicas voltadas aos moradores em situação de rua e o aumento do número de vagas em espaços que atendem essas pessoas.

“É preciso direcionar recursos e implantar políticas. Abandonar a pessoa na rua é praticamente abandoná-la à morte.”