26°
Máx
19°
Min

Alunos constroem carro que roda 400 km com um litro de etanol

(Foto: Divulgação / Pato a Jato) - Alunos constroem carro que roda 400 km com um litro de etanol
(Foto: Divulgação / Pato a Jato)

Acadêmicos e professores da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) de Pato Branco participarão pelo segundo ano consecutivo da Shell Eco-marathon Americas – competição de fomento à pesquisa energética, que desafia estudantes universitários e do ensino médio a projetar e construir protótipos que percorram a maior distância com a menor quantidade de energia. O evento acontece em Detroit, nos Estados Unidos, entre os dias 22 e 24 de abril.

A equipe Pato a Jato conquistou no ano passado o segundo lugar na categoria ‘Combustível Alternativo’, com a marca de 316 quilômetros rodados com um litro de etanol, concorrendo com mais de cem equipes universitárias do Canadá, Guatemala, México e Estados Unidos. Nesta edição, a nova versão do Popygua, o protótipo patobranquense, traz alterações significativas, que poderão fazê-lo percorrer uma distância de até 400 quilômetros com um litro de etanol.

Com uma estrutura em fibra de carbono, pesando 37 quilos, o modelo atual é 13 quilos mais leve que o modelo do ano passado. Alterações no motor também foram feitas para maior eficiência no consumo. O próximo passo do grupo é o desenvolvimento do próprio motor para um novo protótipo, que deverá estar pronto em dois anos.

Shell Eco-marathon Americas

Com as etapas Americas, Ásia e Europa – realizadas em diferentes momentos – a maratona abrange seis categorias de energia: Gasolina, Combustíveis Alternativos, Diesel, Bateria Elétrica, Hidrogênio e CNG. A disputa também é dividida entre “Prototype” (protótipo), que prioriza a eficiência do veículo, e “UrbanConcept” (conceito urbano), que premia os veículos com designs mais práticos.

O número de voltas no circuito é determinado, assim como uma velocidade específica. A partir do desempenho das equipes, os organizadores calculam a eficiência energética dos veículos competidores e escolhem um vencedor para cada categoria de acordo com a fonte de energia utilizada. Também são premiados os projetos com diferenciais de segurança, design e melhor trabalho em equipe.

Após um ano de preparação, os jovens engenheiros têm apenas alguns dias para provar que os seus veículos são os mais eficientes durante a maratona. Para isso, realizam inúmeros testes, já que é preciso percorrer a maior distância possível com o equivalente a um litro de combustível.

A competição teve início em 1939, quando funcionários da Shell Oil Company dos Estados Unidos fizeram uma disputa amadora sobre quem conseguiria percorrer o caminho mais longo com a mesma quantidade de combustível. Desde então, a ideia se expandiu para mais dois continentes e inclui os mais diversos tipos de energia, incentivando o debate sobre o futuro da energia e mobilidade urbana.

Colaboração portal RBJ.