22°
Máx
17°
Min

Ao término da primeira parte da reconstituição do crime, defesa afirma que pedirá exame de sanidade da acusada

Defesa afirma que pedirá exame de sanidade para Ellen

A reconstituição da primeira parte do assassinato de Rodrigo Federizzi, encerrou por volta de 10h45, quando a acusada Ellen Homiak, colocou no banco traseiro do veículo, a mala representando a forma como transportou do apartamento até o carro, o tronco do marido.

De acordo com a polícia, acusada “refez todos os passos do crime’. Foi reconstituída a parte do disparo de arma de fogo; de serrar as pernas e separar do tronco e de ela transportar o corpo até o carro.

Conforme informações do repórter Ricardo Vilches, da Rede Massa, que acompanhou a movimentação na parte externa do prédio, chamou a atenção o fato de “Ellen ter demorado para conseguir colocar a mala com o ‘tronco’ no carro”. “Foram precisos alguns minutos para ela conseguir levantar a mala do chão e por sobre o banco de trás do veículo”. O delegado responsável pelo caso, Fábio Amaro, disse ao repórter, que “havia uma diferença entre a mala usada por Ellen no dia dos fatos, e a usada hoje na reconstituição. Segundo ele, a de hoje é de um material mais ‘mole’ e a do dia do crime é mais ‘firme’, no entanto o peso é o mesmo que foi apontado pelo instituto de Criminalística”.

O pai de Rodrigo Federizzi acompanhou a reconstituição e não quis falar com a imprensa. O advogado de defesa de Ellen, que também participou dos trabalhos, revelou que vai solicitar exames de sanidade mental para a cliente. Segundo ele, existe a ‘desconfiança’ que a acusada possa ter alguma desordem de saúde.

Encerrada esta parte no apartamento, a polícia seguiu para a área rural de Araucária para a segunda parte do trabalho. Lá será reconstituída a parte em que ela enterra o tronco e as pernas.

Revolta

Muitas pessoas foram até o prédio em que a reconstituição acontecia para ‘protestar’ contra a acusada. Conforme o repórter Ricardo Vilches, a todo momento Ellen ouviu os gritos de “assassina”.

 Colaboração Ricardo Vilches