20°
Máx
14°
Min

Após desocupação, colégios estaduais retomam aulas nesta terça-feira em Maringá

Após desocupação, colégios estaduais retomam aulas nesta terça

Três colégios de Maringá que haviam sido ocupados pelo movimento estudantil retomaram as aulas na manhã desta terça-feira (31). Os estudantes reivindicam melhores condições estruturais e o fim dos problemas com a merenda.

Dentre os três colégios, a reposição será mais complicada no Gerardo Braga, que teve seis dias letivos perdidos. Apesar disso, professores apostam na revisão de conteúdo. “Nós estamos no final do trimestre, 3 de junho termina, então a gente faz uma revisão e fecha as notas dos alunos”, disse a docente Silvéria Rolin Barbosa.

No Colégio Adaile Maria Leite, a reposição não será tão difícil já que o local foi ocupado no dia 25, antes do feriado, o mesmo no Colégio Estadual Tancredo Neves.

Segundo o diretor auxiliar do Adaile Maria Leite, Ediner Abeini, serão marcadas reposições. “Nós vamos entrar em contato com o Núcleo para agendar uma data de reposição para nenhum aluno ter prejuízo e os 200 dias letivos serem assegurados.”

Danos físicos

A mobilização estudantil terminou com alguns danos. Na tarde de segunda-feira (30), a diretora do Gerardo Braga registrou um boletim de ocorrência relatando que a porta do laboratório de química havia sido arrombada. Um microscópio no valor de R$ 5 mil foi danificado e alguns vidros e equipamentos utilizados desapareceram.

A direção também registrou que câmeras de segurança foram danificadas, bolas estouradas e uma balança digital furtada. O prejuízo estaria avaliado em R$ 20 mil. Ainda foi entregue na delegacia a ponta de um cigarro supostamente de maconha.

Os representantes da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes) informaram que assumiram o compromisso de arcar com todos os danos causados nas escolas ocupadas.

Nessa segunda-feira (30), eles tiveram uma reunião com o governador Beto Richa, em Curitiba. O Estado assumiu o compromisso de fazer um relatório sobre a merenda, outro sobre obras dos colégios que estão parados por suspeita de desvio de dinheiro e também um assento para os estudantes no Conselho Estadual de Alimentação.

Colaboração William Souza da Rede Massa