20°
Máx
14°
Min

Bancários de Maringá fazem assembleia às 17h, na Praça Napoleão da Silva

Em Maringá, greve está prestes a completar um mês (Foto: Sindicato dos Bancários) - Bancários fazem assembleia às 17h, na Praça Napoleão da Silva
Em Maringá, greve está prestes a completar um mês (Foto: Sindicato dos Bancários)

Após uma reunião que avançou a madrugada desta quinta-feira (6), a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) fez uma nova proposta aos trabalhadores em greve, que se reúnem hoje em todo o Brasil para avaliação. Em Maringá, a assembleia acontece às 17h, na Praça Napoleão Moreira da Silva, em frente às Pernambucanas.

Há uma expectativa em torno do fim da greve, mas o presidente do Sindicato dos Bancários de Maringá e região, Claudecir de Souza, preferiu não se adiantar. “A assembleia é soberana. Vamos levar o posicionamento da negociação de ontem, que terminou na madrugada de hoje. A assembleia que decide, eu não posso fazer antecipação”, declarou. 

A proposta apresentada pela Fenaban prevê um acordo para dois anos. Em 2016, haverá reajuste salarial de 8% mais abono de R$ 3,5 mil, além do aumento de 15% no vale-alimentação e 10% para o vale-refeição e auxílio-creche. Já para 2017 fica prometida a reposição total da inflação assim como 1% de aumento real. 

“Tiveram alguns avanços em alguns aspectos, como no índice que foi de 7% para 8%, a manutenção do abono de R$ 3,5 mil. Todos os dias parados ainda serão abonados, não haverá desconto e também não terão que cumprir os dias parados”, pontuou.

Em Maringá, fora o Bradesco que obteve uma liminar e mantém as agências abertas, os outros bancos permanecem fechados. Caso a assembleia acate a oferta da Fenaban, o expediente pode ser retomado.