21°
Máx
17°
Min

Bancários, servidores técnico-administrativos da saúde e Correios estão mobilizados

(Foto: Luiz Mandelli/Rede Massa) - Semana promete continuar com greves e mobilizações
(Foto: Luiz Mandelli/Rede Massa)

A semana começou com a sequência da greve dos bancários, com greve para os servidores técnico-administrativos da base do Sinditest e com possibilidade de greve para os Correios.

No caso dos bancários, uma proposta foi apresentada à categoria na sexta-feira (12), porém, não atende a solicitação dos trabalhadores. De acordo com o Comando Nacional de greve, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), ofertou 7% de reajuste nos salários e demais benefícios e abono de R$ 3,3 mil não incorporado à remuneração.  Conforme os bancários, no entanto, a proposta está muito aquém da inflação que foi de 9,57% no período e foi rejeitada.

Uma nova mesa de negociação deve ser realizada nesta terça-feira (13). Caso não ocorra acordo, a greve segue por tempo indeterminado. O sindicato da categoria, revelou que em Curitiba e Região Metropolitana, 268 agências bancárias e 8 centros administrativos seguem fechados. A estimativa é que 8,7 mil trabalhadores tenham aderido à greve, o que representam, 48% do total.

Sinstest

Os servidores técnico-administrativos do Sinstest estão em greve entre hoje (12) e sexta-feira (16). A mobilização, segundo o Sindicato, vem sendo realizada em outras universidades e tem o objetivo de protestar contra as medidas de reajuste fiscal já encaminhadas pelo Governo.

Os servidores da Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar), não aderiram à mobilização.

Correios

Uma das alternativas para pagamentos de contas e movimentações bancárias, os Correios também podem fechar as portas aos clientes nos próximos dias. A informação do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom), é de que uma assembleia do comando de greve em Brasília, nesta noite, deve definir pela paralisação ou não. O Sindicato afirma que houve uma proposta, mas que ela não atende nem mesmo o mínimo solicitado pelos servidores. Na última semana foram realizadas assembleias em todo o Estado e o indicativo é para greve, caso não haja uma negociação que atenda pelo menos o básico.

Colaboração Bancários Curitiba/Sindtest/Sintcom