22°
Máx
14°
Min

BPFron apreendeu 39 milhões em mercadorias em 2015

Expectativa é aumentar ainda mais o número de apreensões em 2016 (Foto: PM Paraná) - BPFron apreendeu 39 milhões em mercadorias em 2015
Expectativa é aumentar ainda mais o número de apreensões em 2016 (Foto: PM Paraná)

Desde a sua criação há quatro anos, o Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron), unidade especializada da Polícia Militar, atua na região fronteiriça com o objetivo de coibir diversos crimes entre eles o contrabando e o descaminho, que resultaram, somente no ano de 2015, em cerca de R$ 39 milhões em mercadorias apreendidas, como eletrônicos, remédios proibidos, roupas, entre outros.

No ano passado, o BPFRon efetuou aproximadamente 350 apreensões de contrabando, ou seja, praticamente uma por dia, que somaram 2,1 mil volumes, além de 434 mil pacotes de cigarros.

Esses produtos foram entregues nas delegacias da Receita Federal de Guaíra, Foz do Iguaçu, Cascavel e Maringá.

“O batalhão foi criado para a prevenção e a repressão dos crimes transnacionais, então trabalhamos com uma multiplicidades de ações que devem ser muito bem planejadas. Temos obtidos resultados positivos com muito trabalho. O nosso foco é mapear os portos e aeroportos clandestinos, onde procuramos fazer uma vigilância para efetuarmos a prisão dos envolvidos e a apreensão dos materiais contrabandeados. Para isto contamos bastante com o trabalho das equipes de inteligência, além do apoio que recebemos nas ações conjuntas com a Receita Federal, a Polícia Federal, o Exército, Marinha, dentre outros”, explica o Comandante do BPFron, major Adauto Nascimento Giraldes Almeida.

Segundo o Oficial da PM, o contrabando e o descaminho são o carro-chefe das ações do BPFron e a região Oeste do Paraná, fronteira com o Paraguai e Argentina, é uma das principais rotas de entrada de produtos contrabandeados no Brasil.

“O contrabando seria aquilo que é proibido comprar, como armas de fogo e drogas. O descaminho é aquilo que posso comprar dentro de uma cota, mas ultrapasso este limite”, explica.

Ainda de acordo com o major Giraldes, um dos produtos mais apreendidos é o cigarro.

“Somente no ano passado foram 434 mil pacotes apreendidos, o que causou um prejuízo de mais de R$ 19 milhões aos contrabandistas”, afirma.

Segundo o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF), o contrabando de cigarros responde por quase 70% de todo o montante de produtos contrabandeados no Brasil.

Além do contrabando e descaminho, outros crimes também são mais presentes na área de fronteira como o tráfico de entorpecentes, de armas, munições e explosivos, além da evasão de divisas, furtos e roubos de veículos. 

Durante o ano passado o batalhão registrou 260 ocorrências envolvendo drogas, as quais resultaram na apreensão de 5,8 toneladas de maconha, 7 mil unidades de ecstasy, 5,4 mil comprimidos de medicamentos e 79 armas.

Também foram tirados de circulação 458 veículos, 111 roubados e 347 envolvidos com transporte irregular de mercadorias.

“Com isso desarticulamos a logística dos contrabandistas”, disse o major Giraldes.

Nas ações, o BPFRon abordou 71 mil pessoas e mais de 17,5 mil veículos, sendo 680 pessoas encaminhadas às autoridades judiciais competentes.

Em 2015, foram mais de 3 mil ônibus vistoriados, os quais, segundo o major Giraldes, são muito utilizados para o tráfico de pequenas quantidades de drogas, que geralmente é feito por adolescentes que transportam a droga para diversos estados do país.

“Temos sempre uma equipe específica para abordar os ônibus de uma forma pontual, com ações que contam com parcerias com o Exército e a Receita Federal”, ressalta.

O batalhão também registrou a apreensão de 38 embarcações com motores de vários tamanhos, sendo que a maioria dos barcos eram de grande porte e utilizados para o contrabando de cigarros.

“A apreensão dessas embarcações, que tem grande capacidade de carga, quebra de forma direta a logística operacional dos traficantes e contrabandistas. Juntamente com as apreensões de contrabando, drogas e veículos, várias pessoas que faziam o transbordo e transporte dos produtos também foram detidas e encaminhadas à autoridade judiciária. Nossas ações nestes casos contam com o Comando de Operações de Busca e Repressão Anfíbio (COBRA) que faz patrulhamentos aquáticos nas áreas de fronteira”, explica o major Giraldes.

2016

Para manter os resultados positivos alcançados em 2015, o BPFron efetua ações e operações constantes na região de fronteira, sendo que, somente nos dois primeiros meses de 2016, foram apreendidos 32 veículos, quatro barcos, R$ 214 mil em dinheiro, 157 mil carteiras de cigarros (equivalente a cerca de R$ 6,5 milhões), 11 armas de fogo, 347 kg de drogas, além da recuperação de mais 20 veículos com alerta de furto e roubo e da prisão de 111 pessoas.

“Nos últimos seis anos trabalhei no setor de inteligência na área de fronteira, então pude aplicar meus conhecimentos juntamente com esta estrutura já existente no batalhão é muito mais fácil. O ex-comandante da unidade, tenente-coronel Erich Wagner Osternack, fez vários convênios, trouxe muitos recursos, fez os planejamentos e estruturou o batalhão de uma maneria que faz com que tudo se torne mais fácil. Estou no comando há apenas sete meses, mas o legado que ele deixou proporciona a qualquer comandante realizar um bom trabalho”, finaliza o Comandante do BPFron, major Adauto Nascimento Giraldes Almeida.

BPFRON

O Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) é a primeira unidade especializada em ações de fronteira do país criada através do programa de Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras (ENAFRON), instituído pela Presidência da República via Decreto nº 7.496/11 e pela Portaria SENASP nº 41 de 24/10/2010 publicada no Diário Oficial da União em 25 out. 2011. 

A unidade, criada em âmbito estadual pelo Decreto-lei nº 4.905 de 06 de junho de 2012, tem como proposta o desenvolvimento de ações relacionadas ao Plano Estratégico de Fronteira e ENAFRON, em parceria direta com o Governo do Estado do Paraná e subordinado diretamente ao Subcomando-Geral da Polícia Militar do Paraná.

O BPFron atua em 139 municípios na faixa de fronteira, abrangendo um raio de 150 km além da linha divisória terrestre do território nacional e operando em 447 km de fronteira.

O Lago de Itaipu é um dos principais pontos de atuação e, ao longo dos 16 municípios brasileiros banhados por ele, o BPFron já mapeou mais de 300 portos clandestinos, utilizados para o transbordo de produtos contrabandeados do Paraguai. 

A população que reside nessa faixa de fronteira é de 2.372.846 habitantes, conforme o último Censo realizado pelo IBGE em 2010.

Colaboração: Assessoria de imprensa