27°
Máx
13°
Min

Caminhada em Maringá chama a atenção para o combate à violência contra a mulher

Boa parte dos casos de violência doméstica está associada ao álcool (Foto: Quebrando o Silêncio.org) - Caminhada chama a atenção para o combate à violência contra a mulher
Boa parte dos casos de violência doméstica está associada ao álcool (Foto: Quebrando o Silêncio.org)

Cerca de 6 mil pessoas são aguardadas neste sábado (27) na campanha Quebrando o Silêncio, que quer chamar a atenção da comunidade sobre a importância da prevenção e combate à violência contra a mulher. Este ano, o tema é a luta contra o alcoolismo e suas consequências.

Estatísticas revelam que 30% dos leitos dos hospitais são ocupados por pessoas associadas ao uso do álcool e que 50% dos casos de violência doméstica também estão ligados à dependência. Segundo a psicóloga Simone Bohry, pós-graduada em álcool e drogas pela Universidade Federal Paulista (Unifesp), o álcool mata mais do que a Aids por ano no mundo.

Formulado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), o Mapa da Violência mostra um aumento de 54% dos homicídios de mulheres no Paraná, em dez anos. Segundo a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, 38,72% das vítimas de violência são agredidas diariamente.

Em 67,36% dos casos, a violência é cometida por homens com quem as vítimas têm ou tiveram algum vínculo afetivo, como companheiros, cônjuges, namorados ou amantes.

Quebrando o Silêncio

Cerca de seis mil pessoas divididas em dez pelotões sairão às ruas de Maringá no sábado. A campanha Quebrando o Silêncio começa às 9h, em frente à Câmara Municipal, e segue pelas avenidas João 23, Tiradentes, e Brasil até o Centro de Convivência Comunitária Deputado Renato Celidônio.

Haverá apresentações sobre o tema e a distribuição de materiais de conscientização. O Quebrando o Silêncio é promovido todos os anos, desde 2002, pela Igreja Adventista do Sétimo Dia em oito países da América do Sul, (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai).

Colaboração Assessoria de Imprensa