23°
Máx
12°
Min

Caminhada missionária em homenagem a Madre Leônia arrecada itens para moradores de rua

Em memória aos 36 anos da morte de Madre Leônia Milito, padroeira da vida no trânsito e co-padroeira das Santas Missões Populares da arquidiocese de Londrina, a Arquidiocese promove uma série de atividades nos dias 21, 22 e 23 de julho.

No sábado (23), será realizada uma caminhada missionária, percorrendo um caminho de 17 quilômetros com pequenas paradas para reflexão com os pensamentos deixados por Madre Leônia.

A concentração será no Santuário Eucarístico (av. Madre Leônia,575) às 6h30. Os participantes serão levados à Capela Nossa Senhora do Caminho, na BR-369, onde onde sai a caminhada até o Santuário Eucarístico Mariano, onde está o túmulo de Madre Leônia.

A caminhada será feita de forma tranquila, com duração de cerca de quatro horas e parada para cada lanche e ir ao banheiro.

Interessados devem se inscrever pelo site www.madreleoniamilito.org.br. Como gesto solidário, a inscrição será materiais de higiene pessoal (sabonete, pasta e aparelho de barbear) para os moradores de rua.

Sobre Madre Leônia Milito:

Nasceu em Sapri, Itália, aos 23 de junho de 1913. Na adolescência sentiu o chamado de Deus para ser religiosa e missionária. Pronta e disponível ao projeto de Deus, em 1935 ingressou no Instituto Franciscano, em Secondigliano, Nápoles. Em 1952, preparou as primeiras irmãs que vieram ao Brasil como missionária e em 1953 veio expandir o Instituto na Terra de Santa Cruz. No ano seguinte, foi destinada pelos superiores como missionária e coordenadora da missão no interior de São Paulo. Em 1958, juntamente com Dom Geraldo Fernandes (primeiro bispo de Londrina) fundou a Congregação das Missionárias de Santo Antonio Maria Claret, para servir a Igreja e os pobres em todos os continentes. No dia 22 de Julho de 1980, na saída de Londrina, BR 369, foi vítima fatal de acidente automobilístico; ali foi construída a capela N. Senhora do Caminho, onde se celebra missa dia 22 de cada mês. Em 1988, na Arquidiocese de Londrina, deu-se a abertura da sua causa de canonização. Em 18 de Outubro de 2003, houve a sessão de encerramento da fase diocesana e no mesmo ano, deu-se inicio a causa em Roma, conforme o exigido pelo Vaticano. Seu último lema de vida foi consumir-se iluminando. A luz das boas obras de Madre Leônia, discípula e missionária de Jesus Redentor, continuam glorificando a Deus em nosso meio. Dom Orlando Brandes, arcebispo de Londrina, a declarou, protetora da vida no trânsito e co-padroeira das Santas Missões Populares na arquidiocese de Londrina.