22°
Máx
17°
Min

Caminhoneiro é liberado após quatro dias com sequestradores

(Foto: Divulgação / PM) - Caminhoneiro é liberado após quatro dias com sequestradores
(Foto: Divulgação / PM)

Um caminhoneiro viveu dias de terror nas mãos de sequestradores ao longo desta semana. Ele saiu da cidade de Navegantes (SC) com destino a Palmas (TO), mas teve sua viagem interrompida quando passava pela cidade de Carambeí, a 15 quilômetros de Ponta Grossa. Ele foi rendido por bandidos armados na segunda-feira (12) e ficou em poder dos criminosos até a noite de quinta-feira (15), conforme informou um familiar da vítima ao portal Massa News.

A vítima fazia o transporte de uma carga de cerâmica com destino a Tocantins, mas quando passou por São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, passou a ser seguido por um veículo. O caminhoneiro estacionou em um mercado de Carambeí para fazer compras para a viagem e, quando saiu do estabelecimento, foi abordado por um homem que pediu carona para Curitiba. Quando ele disse que estava indo para o norte do país, o homem sacou uma arma, rendeu o motorista e o obrigou a entrar novamente no caminhão.

Um segundo bandido também entrou na cabine e o caminhoneiro foi obrigado a dirigir até Ponta Grossa. Na cidade, ele foi retirado do caminhão e colocado dentro de um veículo, enquanto um terceiro criminoso assumiu o volante do caminhão.

O veículo de carga foi levado até Paranaguá, onde o rastreador foi retirado – foi o último lugar apontado pelo sistema de monitoramento do caminhão, na quarta-feira (14). Depois disso, o veículo voltou para a região de Curitiba. Nesta quinta-feira (15), o caminhão estava parado em um posto de combustíveis na região da capital quando um amigo da vítima reconheceu o veículo do amigo. Ele bateu na janela, mas ninguém respondeu. Outros caminhoneiros que estavam no local disseram que um homem tatuado havia entrado no posto – o homem sabia que o colega não tinha nenhuma tatuagem, avisou os outros motoristas e acionou a polícia.

Os caminhoneiros conseguiram deter o bandido que estava com a carga e aguardaram a chegada da PM. Os comparsas ficaram sabendo da prisão de um dos membros do grupo e abandonaram o caminhoneiro na cidade de Quatro Barras, onde ele era mantido refém. A vítima foi até a delegacia e conseguiu entrar em contato com o irmão para relatar o que havia acontecido.

O caminhoneiro disse ainda que escutou os bandidos falarem que o comparsa que estava com a carga perdeu as notas fiscais da cerâmica e, por isso, não conseguiu vender a carga, como era o plano. O material transportado estava avaliado em R$ 60 mil. A Polícia investiga o caso para identificar os outros membros do grupo.