27°
Máx
13°
Min

Campanha arrecada potes de vidro para leite materno; saiba como doar

(foto: HU/Divulgação) - Campanha arrecada potes para leite materno; saiba como doar
(foto: HU/Divulgação)

A fim de ajudar o Banco de Leite Humano de Londrina na arrecadação de potes de vidros para o armazenamento de leite materno, a Secretaria Municipal de Saúde, através das equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), está realizando uma campanha para arrecadação dos produtos em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade.

A população pode ajudar na campanha doando potes de vidros, com bordas largas, sem pinturas no vidro e com tampas plásticas, como os potes de vidro de cafés solúveis ou de conserva de palmito, por exemplo. Segundo a nutricionista do NASF, Franciele de Souza, caso a pessoa tenha o pote de vidro mas apenas tampas de alumínio, os potes poderão ser doados, mas as tampas devem ser descartadas.

“É importante que a comunidade possa doar, porque, muitas vezes, o conteúdo dos potes de conserva acaba e as pessoas jogam o vidro no lixo ou mandam para a reciclagem. Doando para o Banco de Leite mais mães poderão se tornar doadoras e mais leite poderá ser coletado. É uma maneira sustentável de ajudar os bebês e o meio ambiente”, afirmou a nutricionista.

Não há uma estimativa do número de potes de vidro que se deseja arrecadar, pois todos os utilizados advém de doações, por isso qualquer quantidade arrecadada será bem-vinda. Até o momento, os pontos de coleta das Unidades Básicas de Saúde juntos arrecadaram menos de 50 frascos.

O BLH de Londrina utiliza diariamente cerca de 200 potes para distribuir às mães doadoras, enquanto outros 200 passam pela esterilização e mais 200 são recolhidos com leite, ou seja, são cerca de 600 vidros em uso por dia. Em média, as mães utilizam dois frascos de 500 gramas semanalmente.

Segundo a coordenadora responsável pelo Banco de Leite Humano, Márcia Maria Benevenuto de Oliveira, todas as doadoras precisam desses potes para a coleta do leite, porém umas precisam de mais do que outras como, por exemplo, a maior doadora do banco que entrega 4 litros por semana e, por isso, necessita de oito frascos. Além disso, todos os dias tem-se a demanda tanto na sede do Banco quanto nas visitas às doadoras.

“O leite materno é importante para qualquer bebê, mas para os prematuros é essencial. Eles são os receptores prioritários do Banco de Leite. Pois são bebês que precisam de mais cuidados, mais atenção e têm mais dificuldades para conseguir sugar no peito. Além disso, as mães desses pequenos geralmente estão em situação de estresse e preocupação, o que interfere na quantidade de leite produzido por elas”, explicou Márcia.

Dados

Atualmente, o BLH de Londrina distribui leite materno para as Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (UTI neonatal) do Hospital Universitário, do Hospital Infantil, do Evangélico, do Coraçãozinho, da Maternidade Municipal Lucilla Ballalai, além dos Hospitais de Rolândia e de Cornélio. Segundo os dados oficiais da Rede de Banco de Leite Humano, de janeiro até junho deste ano, na Maternidade Municipal de Londrina, 705 bebês receberam o leite doado e 204 mulheres fizeram a doação do alimento. No Hospital Evangélico foram 372 recém-nascidos que receberam o leite e 165 mães que doaram. Já no Banco de Leite 899 bebês foram alimentados com o leite doado e 1.728 mulheres doaram.

Como doar potes 

Os interessados em ajudar na campanha podem depositar os potes de vidro nos pontos de coleta da Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência ou pessoalmente no Banco de Leite, que fica na Avenida Robert Koch, 60, Vila Operária, de segunda a sexta-feira, das 7 horas às 16 horas.

A campanha de doação de potes de vidro teve início no dia 1º de agosto e seguirá até o final deste mês. Ela faz parte da 25ª Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) e é uma organização dos nutricionistas do NASF. Todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) têm pontos de recolhimento de potes, panfletos explicativos e cartazes para a divulgação da campanha. Além disso, ao todo, 23 supermercados de Londrina já participaram da campanha deixando um ponto de recolhimento em suas sedes.

"Há mães que têm leite para doar ao Banco, mas não têm os potes de vidro necessários para a coleta e armazenamento, por isso estamos pedindo a colaboração da comunidade para doarem nas unidades de saúde participantes da campanha”, finalizou a nutricionista do NASF, Gehisa Vieira Gomide.

Mães doadoras 

As mães que desejam se tornar doadoras de leite podem telefonar para o Banco de Leite Humano de Londrina no (43) 3371-2390 ou ir pessoalmente, das 7 horas às 16 horas, de segunda a sexta-feira. Todas as doadoras recebem instruções e acompanhamento dos profissionais de saúde.

Como funciona 

As mães doadoras são orientadas pelos profissionais de saúde, que realizam uma visita domiciliar deixando dois potes de vidro semanalmente. Na semana seguinte, eles passam recolhendo o conteúdo de alimento doado e deixam mais dois recipientes. As doadoras devem congelar o leite doado, pois dessa forma ele tem durabilidade de 15 dias.

Após o recolhimento, o alimento é levado ao Banco de Leite, onde passa pelo processo de esterilização, pelo controle de qualidade e por exames microbiológicos. Depois de aprovado em todas as etapas, o leite está estéril e apto para a doação pelo período de 6 meses.

O Brasil é referência mundial em Bancos de Leite Humano com certificação Ouro em Excelência em Banco de Leite Humanos. Ao todo, são 220 Bancos distribuídos entre os estados brasileiros. A Rede Ibero Americana de Bancos de Leite Humano é coordenada pelo Brasil e com os demais países integrantes somam-se mais de 300 unidades receptores de leite materno.

Importância do leite materno 

O leite materno é o alimento ideal para todas as crianças. Sua composição de nutrientes é considerada completa e suficiente para garantir o crescimento e desenvolvimento saudável do bebê durante os primeiros 2 anos de vida. É um alimento de fácil e rápida digestão, completamente assimilado pelo organismo infantil.

Segundo a coordenadora do Banco de Leite Humano de Londrina, os bebês alimentados exclusivamente com leite materno até os 6 meses e depois com complementação de outros nutrientes tendem a ter menos problemas de saúde como alergias, diarreias, otites e outras doenças. Quando adultos, ele protege contra diabetes tipo 2 e pressão alta, o que o torna um alimento bom para o bebê e para seu futuro enquanto adulto.

(com informações do Núcleo de Comunicação da Prefeitura)