27°
Máx
13°
Min

Carta de preso traz suspeita de nova rebelião em penitenciária

(Foto: Divulgação) - Carta de preso traz suspeita de nova rebelião em penitenciária
(Foto: Divulgação)

Uma carta interceptada pode indicar que presos da Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste (Peco) organizam uma nova rebelião. Um agente encontrou a correspondência ilegal entre pavilhões, que era repassada juntamente com buchas de maconha.

Ela era destinada a um suposto ‘cabeça’ da facção Primeiro Comando da Capital (PCC), de quem o remetente diz aguardar uma ordem para a deflagração do motim.

Segundo o portal Umuarama News, que teve acesso à carta, o texto também fala na execução de agentes penitenciários e violência contra ‘duques’, linguagem usada na cadeia para designar os condenados por estupro, que ficam em alas isoladas.

O diretor da Penitenciária Estadual de Cruzeiro do Oeste, Arnobe Lemes dos Reis, declarou que não pode falar sobre o conteúdo da carta por questão de segurança. Ele apenas divulgou que repassou a correspondência para o setor de inteligência.

“É uma informação que não deveria ter vazado. Eu repassei para o setor de inteligência, que vai avaliar se tem alguma veracidade e o potencial”, explicou.

A Peco tem capacidade para mais de 1.100 homens e abriga atualmente cerca de 800.

Insegurança

Mais segurança no trabalho tem sido uma pauta constante dos agentes penitenciários. Com a divulgação da carta e a suposta intenção do homicídio de profissionais em Cruzeiro do Oeste, o assunto voltou à tona. 

O diretor do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindarspen), Vilson Brasil, acredita que faltam investimentos. “A única forma de resolver isso é com a construção de presídios para conter a superlotação. Para ter controle da unidade ainda é preciso a contratação de funcionários, tanto administrativos quanto de agentes”, comentou.