23°
Máx
12°
Min

“Cenário de guerra”, diz prefeito após temporal

“Cenário de guerra”, diz prefeito após temporal

Os 12 mil habitantes de Santa Mariana acordaram nesta quinta-feira (24) ainda contabilizando os estragos causados pelo temporal que atingiu a região na tarde de quarta-feira (23). Grande parte das casas do município foi afetada pela chuva de granizo, que combinada com os fortes ventos derrubou árvores e postes, deixando moradores sem energia elétrica. 

“É um cenário de guerra. Queria estar sonhando, mas não estou. Jamais imaginei ver uma cena dessas. Agora é ter calma e trabalhar no processo de reconstrução da cidade. A Defesa Civil faz o levantamento dos estragos, para posteriormente pedirmos ajuda aos governos federal e estadual com recursos para recuperar tudo isso. O vendaval atingiu a cidade inteira”, disse o prefeito Jorge Rodrigues Nunes.

(foto: WhatsApp)

Segundo o coordenador da Defesa Civil em Santa Mariana, Wilson Bassi, os estragos são generalizados. “O hospital precisou fechar e transferir os pacientes para Bandeirantes, diante de tantos estragos. Estamos sem energia elétrica, as escolas destelhadas, algumas ruas intransitáveis, uma situação terrível”, pontuou. Entre os registros estão queda de barracão industrial, cobertura de postos de gasolina, além de diversas árvores sobre carros e casas.

Um posto de atendimento foi montado para oferecer lonas aos moradores prejudicados pela chuva de granizo.   

Apesar dos estragos, não houve registros de feridos em decorrência do temporal.

Segundo o Simepar, o temporal se formou em Londrina e se deslocou para o Norte, passando por Cornélio Procópio, atingindo o ápice em Santa Mariana e perdeu intensidade ao passar por Bandeirantes e Itambaracá. A estimativa é de que os ventos tenham chegado a 100 quilômetros por hora.