20°
Máx
14°
Min

Cesta básica em Ponta Grossa registra alta de 3,26% em maio

(Foto: IDEME) - Cesta básica em Ponta Grossa registra alta de 3,26% em maio
(Foto: IDEME)

O custo médio da cesta básica de Ponta Grossa apresentou aumento de 3,26% em maio, conforme pesquisa do Núcleo de Políticas Públicas Rouger Miguel Vargas (NPPRMV) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). A compra dos 34 produtos da cesta passou de R$ 575,49, registrados em abril, para R$ 594,25. Nos últimos dois meses, a alta chega a 7,54%. Em março, a mesma compra podia ser feita com R$ 552,57.

Conforme a pesquisa da UEPG, no último mês, dos 34 produtos que compõem a cesta básica do ponta-grossense, 20 tiveram elevação de preços; enquanto, 14 apresentaram preços em queda. O tomate foi o campeão o mês, com alta de 27,25%; e a batata, o produto com maior queda, 12,59%. Ambos pertencem ao grupo de hortifrutigranjeiros, cujo preços tiveram aumento médio de 0,35%.

No grupo de alimentação geral, a alta de preços teve média de 3,74%. Destaque para o leite, com a maior alta, 13,19%; e para o óleo de soja, cujos preços oscilaram em 3,21% para baixo. A carne registrou aumentos de preço, com média de 6,69%. No grupo, a frango teve o maior aumento, 11,47%; e a carne bovina, o menor aumento, 5,36%.

Na seção de produtos de limpeza, a alta foi de 0,29%. A água sanitária subiu 5,30%; e o sabão em pó está 8,57% mais barato. O grupo higiene foi o único a registra queda no mês, com índice de 0,25%. Nesse grupo, o creme dental teve aumento de 4,15%; e o desodorante um decréscimo de 2,46%.

Conforme os pesquisadores da UEPG, com base no salário mínimo nacional (R$ 880), para adquirir todos os 34 produtos da cesta básica, uma família com renda mínima, gastaria 67,53% do seu orçamento, restando somente 32,47% para as demais despesas da casa. No caso de famílias com renda de dois, três, quatro e cinco salários mínimos, a despesa com a cesta básica representa 33,77%; 22,51%; 16,89%; e 13,50% das suas respectivas rendas.

O Índice Cesta Básica (ICB) é aferido mensalmente pela UEPG, com base nos hábitos de consumo de famílias residentes em Ponta Grossa, com até três membros e renda de um a cinco salários mínimos. Os preços praticados na primeira semana de cada mês são comparados aos valores anotados no mesmo período do mês anterior. O ICB não serve como indicador de inflação, cujo cálculo considera outros parâmetros da economia.

Variações:

  • Grupo que mais aumentou: Carne - 6,69%
  • Produto de maior elevação: Tomate - 27,25%
  • Grupo de maior queda: Higiene - 0,25%
  • Produto de maior queda: Batata - 12,59%

 Colaboração Assessoria de Imprensa.