22°
Máx
14°
Min

Cobradores passam frio e prefeitura não fornece uniformes para inverno

(Foto: Divulgação/Sindimoc) - Cobradores passam frio e prefeitura não fornece uniformes para inverno
(Foto: Divulgação/Sindimoc)

O inverno começou oficialmente no último dia 21. Mesmo assim, as temperaturas baixas já estão sendo registradas em Curitiba há pelo menos um mês. Com o frio intenso, a solução é tirar os casacos do fundo do armário e encarar a gélida Curitiba.

No entanto, para os cobradores de estações-tubo da capital paranaense, esse período vem sendo um tormento. Os trabalhadores reclamam que não recebem da Prefeitura de Curitiba uma roupa adequada para encarar as baixas temperaturas desde 2014.

Um cobrador que preferiu não se identificar – por medo de sofrer alguma retaliação por conceder a entrevista –, relatou a situação. “Os tubos têm uma parte totalmente aberta, então entra muito vento. O problema é que a gente não tem uma roupa adequada fornecida pela URBS.”

Segundo ele, além disso, os funcionários são impedidos de colocar blusas por cima do uniforme. “Não podemos colocar por cima, por que se não, podemos ser multados. Aí temos que dar o nosso jeito”, afirmou.

No entanto, o problema, de acordo com ele, é que não dá para colocar roupas grossas por baixo do uniforme. “Se a gente colocar uma blusa por baixo, o uniforme não entra. Aí a solução é usar por cima e quando o fiscal chegar perto, a gente tira”, contou.

Conforme o cobrador, em 2014 a Urbs disponibilizou um kit inverno. No entanto, a prática não se repetiu. “Desde então, nunca mais entregaram. Quem recebeu, usa. Mas quem entrou depois, como eu, precisa dar um jeito para não passar frio.”

Por causa dessa situação, no último dia 16, o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana enviou um ofício para a Urbs, pedindo um uniforme mais quente e ainda luvas e toucas para amenizar o frio.

Em nota, a Urbanização de Curitiba afirmou que “nenhuma empresa vai ser autuada por motoristas e cobradores usarem casacos mais pesados por cima do uniforme nos dias frios.” Segundo a Urbs, essa orientação “é dada a todos os fiscais, empresas e trabalhadores do transporte coletivo.”

Ainda de acordo com a nota, as únicas restrições são em relação às logomarcas e a cor do agasalho. “Os casacos não devem ter logomarcas e precisam ser da cor preta ou cinza.”

Já o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) informou que recebeu “com compreensão e solidariedade” o pedido do Sindimoc (por roupas mais quentes), mas afirmou que a solicitação deve ser encaminhada para Urbs, “que é quem detém a competência para atender a reivindicação.”

Além disso, o Setransp também informou que “eventuais determinações das empresas para que seus colaboradores não se apresentem vestidos com roupas distintas do uniforme aprovado ocorrem porque isso é uma obrigação que está prevista em decreto e, caso descumprida, acarreta multa e penalização por parte da Urbs.”

No entanto, o sindicato das empresas afirmou não há multa para os funcionários que utilizarem alguma roupa mais quente, desde que sejam em cores neutras, durante o inverno, “conforme já autorizado em ofício da Urbs.”

Para o cobrador entrevistado, a restrição pelo tipo de roupa é um problema. "Acho injusto, porque a gente tem que correr atrás e gastar o nosso dinheiro para fazer aquilo que eles mandam. Eles é que deveriam fornecer a roupa para a gente", afirmou.