22°
Máx
16°
Min

Começa sexta Pesquisa nas Pontes Internacionais da Amizade e da Fraternidade

Começou na manhã desta quinta-feira (09) e segue até o domingo (12), mais uma pesquisa universitária. Professores e estudantes do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas, UDC Monjolo e UDC Anglo, vão aplicar o sexto levantamento sobre o trânsito de pessoas e veículos na tríplice fronteira e o perfil dos turistas que passam por ela. 

Esta é uma ação em conjunto entre a UDC, a Receita Federal, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o DNIT e a Acifi. A equipe de campo estará presente na Ponte Internacional da Amizade, fronteira com o Paraguai, e também na Ponte Tancredo Neves, fronteira com a Argentina.

Para aplicar os questionários, aproximadamente 100 acadêmicos receberam treinamento específico para a ação. São estudantes dos Cursos de Administração, Arquitetura, Engenharias, Ciência da Computação e Administração. Serão 12 horas diárias de trabalho, das 6 horas até às 18 horas em dois turnos.

"São dados científicos com números exatos que possibilitam obter um dimensionamento do fluxo em cima das Pontes com exatidão, e ainda, os dados da pesquisa que apresenta o perfil das pessoas que passam pela cidade e a impressão que essas pessoas têm da fronteira. Uma que auxilia o DNIT, Receita Federal e Polícia Federal, e a outra que é um instrumento para os órgãos ligados ao turismo e a Acifi. Ambas, instrumentos importantes para as tomadas de decisão. Com este trabalho as tomas de decisões são embasadas em dados científicos e técnicos. Assim é muito mais fácil obter sucesso", explica o idealizador e Coordenador da Pesquisa, Professor Doutor Fábio Prado.

Trafego

A exemplo dos anos anteriores  serão observadas duas vertentes, em uma delas a pesquisa fará a contagem de pedestres que vão e vem dos países vizinhos assim como o número de caminhões, ônibus, van, táxi, carros e motos.

Perfil

O questionário será aplicado aos turistas em modo geral. As questões são basicamente para traçar um perfil das pessoas que vêm para a fronteira. Entre as perguntas estão algumas sobre o estado de origem, trabalho, renda, meio de transporte utilizado, quanto tempo ficará em Foz, dentre outras.

Objetivos

Os objetivos são buscar os pontos com necessidades de melhorias nas rodovias e nos procedimentos nas aduanas e modificá-los para prestar um serviço com melhor qualidade aos contribuintes. As pesquisas anteriores foram fundamentais para detectar estas carências e problemas no dia a dia da fronteira. Os novos dados ficarão à disposição de autoridades e órgãos para que possam embasar futuros projetos de desenvolvimento.

Colaboração: Assessoria de imprensa