22°
Máx
17°
Min

Confira como será o contingenciamento de recursos na saúde em Londrina

(foto: N.Com/Divulgação) - Confira como será o contingenciamento de recursos na saúde
(foto: N.Com/Divulgação)

O secretário de Saúde de Londrina, Gilberto Martin, anunciou em entrevista coletiva nesta quarta-feira (13) medidas de contingenciamento de gastos na pasta.

O principal ponto é a redução de horas extras dos servidores, que deve resultar em uma economia de R$ 4 milhões. Também estão previstos cortes em outras despesas como combustível, energia elétrica, consumo de água e telefone, poupando mais cerca de R$ 500 mil até o fim da gestão, em dezembro.

"Nós não estamos fazendo corte de assistência ou de atendimento. Estamos fazendo a utlização correta dos recursos para aplicar na necessidade de atendimento à população”, afirmou Martin.

A gestão dos recursos vai possibilitar a contratação de mais 14 médicos e cinco auxiliares de enfermagem para a rede municipal. A equipe será reforçada com nove médicos de clínica geral nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA), quatro pediatras para o Pronto Atendimento Infantil (UPA) e um anestesiologista para a maternidade, além dos cinco auxiliares de enfermagem para o turno da tarde.

A contratação vai solucionar, em partes, a dificuldade na escala de médicos das UPAs, o que tem impactado no aumento de horas extras para suprir a demanda.

UBSs da Zona Rural 

Com relação ao horário de atendimento nas UBSs da zona rural, o secretário esclareceu que foi feita uma reprogramação de horários, considerando o movimento dos atendimentos nestes locais, mas todos os atendimentos estão mantidos.

Segundo Martin, nas unidades com maior movimento o atendimento continua sendo feito até as 17h (Maravilha e Lerrovile). Em duas unidades o atendimento acontece até as 16h (Guaravera e Três Bocas), três até 15h30 (Selva,Regina e Warta) e cinco até as 15 (Irerê, Taquaruna, Paiquerê, Guairacá eSão Luiz). Os atendimentos, em todas as UBSs, iniciam às 7h.

“Esta reorganização dos horários e das atividades nas UBSs não vão prejudicar a população porque os atendimentos nas unidades básicas de saúde são programados, ou seja, previamente agendados. Na UBS o paciente geralmente faz consultas e acompanhamentos.Já os atendimentos emergenciais são feitos nas UPAs e pronto atendimentos”,esclarece o secretário.