23°
Máx
12°
Min

Construído há 23 anos em Porecatu, residencial ainda não tem estrutura básica

(foto: Divulgação) - Construído há 23 anos, residencial ainda não tem estrutura básica
(foto: Divulgação)

O Ministério Público firmou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a prefeitura de Porecatu (85 km de Londrina) e uma empresa do ramo da construção civil para garantir a realização de obras de infraestrutura para atendimento aos moradores de um residencial construído na cidade há 23 anos.

A assinatura do TAC decorre de tramitação de processo administrativo que apurou que a citada construção teve autorização para sua execução no ano de 1993, mas, até o momento, não recebeu a devida infraestrutura de habitação e urbanismo, bem como a oferta de serviços básicos, como coleta de lixo e sinalização de trânsito.

De acordo com o documento assinado, a construtora responsável pelo empreendimento deve repassar, até 30 de julho, o valor de R$ 150 mil à administração municipal, que será responsável por executar, até o dia 30 de novembro deste ano, as obras indicadas no procedimento em trâmite. Com o repasse da quantia, a empresa quitará os débitos do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) que encontram-se em aberto.

O termo firmado prevê também que a prefeitura não poderá conceder anuências ou alvarás para a construção de novos empreendimentos imobiliários que desrespeitem as regras previstas nos planos municipais Diretor e de Saneamento Básico.

Para o caso de descumprimento de qualquer dos compromissos assumidos, foi estipulada multa diária de R$ 1mil, além de eventual apuração de responsabilidades em outras esferas. Os compromissos firmados passam a ter validade a partir da assinatura e as responsabilidades no caso de descumprimento serão dirigidas ao prefeito do município, que deverá garantir a ampla divulgação do TAC, especialmente junto aos moradores do empreendimento.

(com informações do Ministério Público)