24°
Máx
17°
Min

‘Cookie espacial’ faz alunos passarem mal e caso vai parar na delegacia

(Foto: Ilustração) - Alunos comem ‘cookie espacial’ antes da aula e caso termina na polícia
(Foto: Ilustração)

A sexta-feira (5) tinha tudo para ser mais um dia normal de aula em um dos colégios estaduais de Curitiba. Mas, no meio da tarde, além de socorro para cerca de 20 alunos, foi preciso acionar também a Polícia Militar. O que aconteceu foi que alunos “teriam ingerido cookies com alguma substância entorpecente, a suspeita é que seja maconha”.

Vale explicar que a instituição não será identificada, uma vez que o caso envolve menores de idade e está sob a investigação da polícia, além de que a divulgação do fato é apenas um alerta aos pais, e não tem intenção de expor os alunos e a instituição.

De acordo com o relato de pais de envolvidos, “os alunos teriam comido o chamado cookie espacial antes do início da aula e cerca de duas horas depois, começaram a passar mal”. A instituição acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e após a constatação de que os alunos estavam sob efeito de drogas, os pais dos alunos foram chamados, bem como a Polícia Militar acionada”. Há informações que “alunos desmaiaram, e que pelo menos um teria sido hospitalizado”.

Um dos alunos, apontado como “responsável pelo cookie” foi encaminhado à Delegacia do Adolescente. A Polícia Civil emitiu nota sobre o caso, em que afirma que “sobre o caso do adolescente suspeito de drogar outros alunos do Colégio, a Polícia Civil informa que os biscoitos fornecidos pelo menor foram apreendidos e encaminhados para a perícia com o intuito de verificar se havia alguma substância ilícita presente. Até o momento nenhuma vítima foi até a Delegacia do Adolescente registrar Boletim de Ocorrência (B.O) ou prestar depoimento. O adolescente foi ouvido e liberado com audiência marcada”.

Há informações, no entanto, “de que os quitutes teriam sido encomendados pelos próprios alunos”. As investigações da polícia devem esclarecer esta situação.

A reportagem entrou em contato com a direção do Colégio, que disse que apenas a assessora de área do Núcleo de Educação poderia falar. A responsável informou pela secretária que estava em reunião, orientando a procurar a chefia do Núcleo de Educação, que também não conversou com a reportagem.

Atualização

Por meio de nota, a "Secretaria de Estado da Educação, a respeito do incidente ocorrido no Colégio Estadual Presidente Lamenha Lins, em Curitiba, esclarece que a equipe diretiva da escola tomou a medidas necessárias para solucionar a questão. Familiares dos envolvidos foram chamados para adequada orientação. A escola ainda irá promover atividades pedagógicas para fortalecer a importância da prevenção ao uso indevido de drogas ilícitas".