23°
Máx
12°
Min

Depois de 32 horas de julgamento, empresário é condenado a 25 anos de prisão

(Foto: Divulgação/OAB-PR) - Empresário é condenado como mandante da morte de advogada
(Foto: Divulgação/OAB-PR)

A sessão do Júri Popular, que levou ao banco dos réus o empresário Vanderson Benedito Correa, acusado de ser o mandante do assassinato da advogada Kátia Regina Leite, encerrou com a condenação do suspeito. A pena foi de 25 anos de reclusão, em regime fechado.

De acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil em Curitiba, a sentença foi anunciada por volta de 1 hora deste sábado (23). Foram 32 horas de julgamento que levaram o conselho de sentença a entender que “o réu concorreu para o crime e reconheceu a agravante de que o acusado impossibilitou a defesa da vítima e a qualificadora de motivação torpe. A denúncia foi julgada procedente e o juízo condenou o réu pela prática do crime.  Não houve atenuantes”.

Também segundo a OAB, a advogada morreu no exercício da profissão, pois era defensora da ex-esposa do empresário num processo de separação judicial. O outro réu do processo, o ex-policial militar Flávio Vasques Oliveto, acusado de ter disparado a arma, está preso na Casa de Custódia de São José dos Pinhais desde 2015 e também será julgado pelo crime.

A morte

A advogada Kátia Regina Leite, então com 44 anos, foi morta com cinco tiros na manhã de 24 de fevereiro de 2010, ao sair de sua casa, no bairro Boa Vista, em Curitiba. Advogada havia mais de 20 anos, Kátia comandou por uma década o setor jurídico do Conselho da Condição Feminina e era conhecida por sua veemência na defesa dos direitos da mulher. Ela deixou três filhos.

Colaboração OAB-PR