22°
Máx
14°
Min

Entidade vai pedir mais sinalização para triatletas em rodovias; motorista pode passar por audiência na Justiça hoje

(Foto: Colaboração) - Entidade vai pedir mais sinalização para triatletas em rodovias
(Foto: Colaboração)

A Federação Paranaense de Triatlo vai reunir uma série de reivindicações para encaminhar às concessionárias e órgãos públicos relacionados às rodovias. A solicitação acontece após a morte do triatleta Eduardo Antonio, de 42 anos, que foi atropelado por um carro enquanto treinava nas margens da BR-277, na região de São José dos Pinhais, no último sábado (8).

A vítima chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital. O motorista do veículo estava embriagado e foi encaminhado para a Delegacia de São José dos Pinhais, onde permanece preso. Ele invadiu a área de acostamento duas vezes e atingiu outras duas pessoas, que também ficaram feridas.

O presidente da Federação Paranaense de Triatlo, Luiz Iran Guimarães, anunciou nesta terça-feira (11) que a entidade vai reivindicar junto às concessionárias e órgãos competentes redutores de velocidade com câmeras de segurança e a instalação de placas indicativas de que existem atletas em treinamento no trecho. “As rodovias são as vias mais seguras para este treinamento, pois os atletas conseguem manter boa velocidade e o pavimento não tem tantos buracos. Nossa intenção é enviar este documento e também alertar para uma consciência maior dos motoristas sobre beber e não dirigir e a necessidade de uma convivência mais harmoniosa”, comenta.

Guimarães ressalta que o acidente poderia ter acontecido com qualquer outro grupo que também utiliza a rodovia e suas margens para treinamentos ou momentos de lazer, ou ainda com qualquer pedestre ou quem transita na estrada. “Recebemos a notícia da morte de Eduardo com muita tristeza. O grupo atingido pelo motorista embriagado era de federados”, afirma.

A delegada Tathiana Guzella, que estava de plantão na delegacia de São José dos Pinhais no dia do acidente, solicitou a prisão preventiva do motorista, que comprovadamente estava embriagado no momento do acidente. Uma audiência de custódia deve ser realizada ainda nesta quarta-feira pela Justiça, que decidirá se acata o pedido da delegada ou concede a liberdade provisória ao condutor. Outra medida também poderá ser determinada pelo juiz.

Tathiana ressalta que o motorista, de 50 anos, não tem antecedentes criminais, é viúvo e tem três filhos. O mais novo, de 10 anos, teria necessidades especiais. No momento do acidente, ele estava na companhia do filho de 20 anos. “O pedido de prisão preventiva tem o fundamento pelas consequências do acidente, que podem ser consideradas dolo eventual (quando a pessoa assume o risco). Ele invadiu o acostamento duas vezes, primeiramente atingindo duas pessoas e depois atingindo outra. Foi visto ainda que ele ou seu filho tiraram latinhas de cerveja de dentro do carro, o que pode caracterizar fraude processual”, destaca.