22°
Máx
17°
Min

Escolas danificadas pelas chuvas vão receber reparos

(Foto: Google Street View) - Escolas danificadas pelas chuvas vão receber reparos
(Foto: Google Street View)

O período chuvoso que o noroeste e norte do Paraná vive desde o ano passado causou diversos problemas estruturais em escolas. Na região de Campo Mourão, 16 unidades devem receber reparos. Na próxima semana, as obras terão início para a troca da fiação elétrica no Colégio Estadual 14 de Dezembro, em Peabiru (a 15 quilômetros de Campo Mourã). Logo em seguida, será a vez do Colégio Olavo Bilac, no mesmo município.

Os problemas estruturais foram intensificados com as chuvas do fim de 2015. O Colégio Agrícola de Campo Mourão e o Colégio Estadual Campina da Lagoa, no município que leva o mesmo nome, já tiveram todo o telhado trocado. Na nova fase das obras, serão beneficiadas 16 escolas nos municípios de Campo Mourão, Peabiru, Engenheiro Beltrão, Fênix, Barbosa Ferraz, Campina da Lagoa, Quinta do Sol, Roncador, Mamborê e Nova Cantu.

Alguns problemas vêm ainda do ano passado. Para a chefe do Núcleo Regional de Ensino de Campo Mourão, Rosimeire Aparecida de Caires, a demora foi justificada pela grande demanda, já que colégios de todo o Paraná foram danificados pelas chuvas.

“Eu acho que é a quantidade mesmo. Agora, nós temos indicações de recursos de até R$ 150 mil para as escolas, somando cerca de R$ 1,5 milhão. São muros que desabaram, por exemplo. Nós temos uma escola em Mamborê que foi afetada por chuvas de granizo, o que comprometeu toda a cobertura. Neste caso, o valor é mais alto e demora mais para licitar”, comentou.

Como as obras são emergenciais, o prazo estabelecido em contrato é de 60 dias para finalização. 

Nova escola

O Núcleo Regional de Ensino de Campo Mourão tem outro grande problema para resolver este ano. O Conjunto Habitacional Fortunato Perdoncini foi inaugurado em fevereiro deste ano, inicialmente com cerca de 800 casas, mas outras 700 ainda serão entregues. É preciso a construção de uma escola para atender os alunos do bairro. Uma unidade já está prevista pela Secretaria de Estado da Educação, com 1,5 mil vagas.