23°
Máx
12°
Min

Escritor gaúcho relata a adolescentes sua experiência atrás das grades

Jorge Luiz Martins visitou o Cense de Ponta Grossa e conversou com jovens que cumprem medidas socioeducativas (Foto: Idomar Augusto Cerutti/Divulgação SEJU) - Escritor gaúcho relata a adolescentes sua experiência atrás das grades
Jorge Luiz Martins visitou o Cense de Ponta Grossa e conversou com jovens que cumprem medidas socioeducativas (Foto: Idomar Augusto Cerutti/Divulgação SEJU)

O escritor gaúcho Jorge Luiz Martins, ex-morador de rua, visitou o Centro de Socioeducação de Ponta Grossa na última terça-feira (26) e emocionou os 47 adolescentes que cumprem medidas socioeducativas na unidade, que pertence à Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos. Ele fez palestras para os jovens e contou sua experiência do período em que passou por uma Penitenciária.

O escritor contou um pouco das mazelas de sua vida, que incluiu o período em que passou atrás das grades, apesar de ter escolhido o caminho do bem. “Apesar de eu ter sido preso, sempre trilhei o caminho do bem. Sabia que se eu entrasse no mundo do crime não teria nada, e ainda perderia minha liberdade”, disse. “Pelo bem eu tinha a liberdade de ser o que eu quisesse”, disse ele.

A visita fez parte do Projeto “Pegaí - Leitura Grátis” da Universidade Estadual de Ponta Grossa, que passou pela Cadeia Pública Hildebrando de Souza e pelo Centro de Socioeducação, que abriga menores infratores, de 12 a 17 anos.

Admiração

O escritor recebeu a admiração dos meninos durante a palestra. O caminho de Jorge foi escolhido por ele antes mesmo de ser morador de rua. “Prometi para a minha avó, e a mim mesmo, que não seria um criminoso. E foi com este pensamento que segui o meu caminho e sou quem eu sou hoje: empresário, escritor, ator e com diversas formações”, disse Jorge, ressaltando que ainda quer fazer doutorado.

Segundo a diretora do Cense Ponta Grossa, Vera Lucia Kanawate, era visível no olhar a emoção tanto do autor, como dos meninos. “Foi muito importante esse momento, pois uma história como esta faz as pessoas refletirem. Além disso, é um incentivo para os adolescentes ouvirem uma experiência que iniciou de forma triste e que hoje é um sucesso”.

O Projeto “Pegaí – Leitura Grátis” é uma iniciativa sem fins lucrativos, criada em 2013, em Ponta Grossa (Campos Gerais), mantida por pessoas apaixonadas pela leitura que acreditam que os livros não podem ficar guardados nas estantes. Com o objetivo de incentivar o hábito da leitura, a obra do autor gaúcho “Meu nome é Jorge” foi distribuída para os adolescentes do Centro de Socioeducação e para os adultos Cadeia Pública, um mês antes da visita do autor.

Colaboração Agência Estadual de Notícias.