24°
Máx
17°
Min

Estado bate recorde no abate de aves e suínos

O Paraná bateu recorde de abate de aves e suínos em 2015, de acordo com pesquisa de produção agropecuária divulgada nesta quinta-feira (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Ao todo, foram produzidas 4 milhões de toneladas de frango, 9,6% mais do que em 2014. O Paraná registrou um crescimento que é quase o dobro da média nacional, de 5%, no período. Maior produtor e exportador de frango do País, o Estado respondeu por 30,5% do volume produzido do Brasil, de 13,14 milhões de toneladas. 

“O Estado foi o grande responsável pelo recorde de produção brasileira de frango. Das 600 mil toneladas a mais produzidas pelo País em 2015, o Paraná contribuiu com 350 mil”, lembra o economista Julio Suzuki Júnior, diretor presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes). 


SUÍNOS - O levantamento mostra ainda que a produção estadual de carne suína totalizou 676,2 mil toneladas, 10,6% maior do que em 2014. No ranking, o Paraná respondeu por 19,7% do produzido no Brasil e terminou o ano em terceiro lugar, atrás de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. 


COMBINAÇÃO FAVORÁVEL - A vocação para o desenvolvimento da cadeia de frangos e suínos no Paraná se ampara na combinação de um modelo integrado de produção, baseado em pequenas propriedades, fartura de matéria-prima para ração (milho e farelo de soja) e tecnologia aplicada à indústria,explica Suzuki Júnior. Os frigoríficos estão, atualmente, entre os maiores geradores de empregos no Estado, especialmente na região Oeste, Sudoeste e Noroeste. 


BOVINOS – Se por um lado a produção de frango e suínos cresceu no Estado, a de bovinos encolheu, para 300,3 mil toneladas, queda de 10,9% em relação a 2014. A diminuição acompanhou o recuo nacional, de 7,1% na produção. Além da recessão, que derrubou o consumo no mercado interno, as exportações brasileiras recuaram 12,1% em volume, para 1,07 milhão de toneladas. O Paraná fechou o ano em nono lugar no ranking de abates de bovinos, com 4% de participação no país.