26°
Máx
19°
Min

Estudantes da Unila ocupam reitoria e exigem contratação de professores

Os estudantes do curso de Serviço Social da Unila ocuparam a reitoria da universidade, na manhã desta terça-feira (29).

Com buzinas, aptos e muito barulho eles exigiram a contratação de professores que já passaram pelo concurso, mas ainda não foram nomeados.

Os estudantes afirmam que desde o dia 17 de março, estão buscando respostas da instituição, mas sem sucesso até o momento.

As duas turmas do curso definiram por uma greve e por isso não estão participando das aulas específicas da graduação.

Os acadêmicos ainda afirmam que já tentaram uma solução e que comunicaram a reitoria sobre a falta de aulas, por meio de uma carta aberta.

O documento foi postado em uma página criada pelos estudantes.

Confira na íntegra:

CARTA ABERTA – CENTRO ACADÊMICO DE SERVIÇO SOCIAL
Nós, acadêmicos regularmente matriculados no curso de Serviço Social da Universidade Federal da Integração Latino-Americana – UNILA, aqui representados pelo Centro Acadêmico de Serviço Social, vimos por meio desta CARTA ABERTA informar que desde o dia 17 de março do corrente ano, em Assembleia Geral, acatamos greve estudantil para a disciplina de Oficinas de Formação Profissional I: Serviço Social e Realidade Social tendo em vista que torna-se necessário dividir os alunos em duas turmas devido a mesma ser uma disciplina teórico-prática, e metade dos discentes foram prejudicados por não haver professores para as duas turmas, ficando apenas a Turma 01 um com docente.
O curso de Serviço Social inicia sua segunda turma e, mesmo diante de um quadro de quase 100 (cem) alunos, o semestre começa com um déficit de docentes. Estamos indo para o terceiro semestre do curso com apenas duas professoras especializadas na área. O concurso já foi feito, os profissionais só precisam ser nomeados, estamos aguardando isso desde outubro do ano passado.
O curso de Serviço Social conta, atualmente, com 04 (quatro) componentes da matriz curricular sendo ofertados sem professores para ministra-los. 

As turmas do primeiro e terceiro período ficaram prejudicados, repetindo-se a situação de precarização do ensino superior que aconteceu no semestre 2015.2 por ausência de professor na disciplina de Questão Social e Serviço Social devido demora da instituição em nomear a professora que ficou em primeiro lugar no concurso e a disciplina está em reoferta no atual semestre, sobrecarregando o corpo discente.

Os componentes ofertados atualmente e que encontram-se sem professores são 1) Oficinas de Formação Profissional I: Serviço Social e Realidade Social 2) Trabalho e Sociabilidade 3) Serviço Social e Saúde na América Latina e 4) Serviço Social e Pensamento Social Moderno.

Nossa greve é representativa e de total legalidade, frente à negligencia da PROGEPE para a nomeação dos professores aprovados no EDITAL PROGEPE Nº 152 DE 02 DE OUTUBRO DE 2015 que completarão o mínimo necessário para dá finalidade harmoniosa ao semestre letivo 2016.1. Como Centro acadêmico do Curso do Serviço Social, reivindicamos a urgência da nomeação dos referidos professores e declaramos estado de emergência educativa dentro do curso de Serviço Social.
Declaramos que nossa greve somente será suspensa quando os docentes assumirem as disciplinas.

Os estudantes permanecem na reitoria e afirmam que só sairão quando o problema for resolvido. A assessoria de comunicação da Unila deve emitir uma nota com o posicionamento da instituição, nas próximas horas.