22°
Máx
16°
Min

Estudantes de Londrina desenvolvem ração caseira integral para cães

(foto: Pixabay) - Estudantes desenvolvem ração caseira integral para cães
(foto: Pixabay)

Produzir uma ração caseira saudável para cães, de fácil e rápido preparo, com ingredientes naturais, balanceada, sem conservantes, bem cheirosa e saborosa. É a proposta de iniciação científica de alunos do 6º ano do Colégio Londrinense e do curso de Medicina Veterinária da UniFil. O trabalho foi iniciado em junho, o produto teve boa aceitação dos animais nos testes e a receita será finalizada até outubro, para apresentação na Feira Cultural e de Experimentos Científicos (Feccilon) do colégio.

A ração integral é feita com carne e sebo bovinos, arroz, sal e produtos que dão a coloração. São três tipos: laranjada com adição de cenoura, vermelha com beterraba e creme com farinha de milho. Todos os ingredientes são moídos em liquificador na preparação da massa, que depois é moldada a mão em formatos de bolinhas e ossinhos. Para assar, o tempo médio é de 45 minutos em forno convencional. E está pronta a ração caseira.

“Os alunos do Colégio Londrinense trouxeram a ideia e os acadêmicos de Veterinária encararam o desafio. Após estudos para definir a receita balanceada, iniciamos os testes no Laboratório de Nutrição Animal. Na sequência, os participantes do projeto levaram a ração para dar aos seus cães, em casa. Os resultados já surpreenderam porque os animais comeram tudo, sem qualquer rejeição”, relata a professora doutora Suelen de Córdova Gobetti, coordenadora do curso de Medicina Veterinária da UniFil.

Nesta terça-feira (dia 23), às 14 horas, o grupo vai fazer nova fornada de ração em mais uma etapa do projeto. “A produção é viável no aspecto nutricional e no custo de produção. Prosseguimos com estudos para aprimorar a qualidade e tempo de validade. Até agora conseguimos chegar a 20 dias de durabilidade, guardado em pote normal. A intenção é aprimorar”, explica a docente, informando que nas próximas fases serão analisadas palatabilidade e digestibilidade.

A professora e bióloga Alana Seleri Rodrigues, que coordena o projeto pelo Colégio Londrinense, informa que os alunos estão registrando em “diário" todo o trabalho, desde o desenvolvimento da ideia. “Eles anotam tudo: pesquisa teórica, preparação da ração, testes com cães e opinião dos donos. É um projeto de iniciação científica que pode ter aplicação prática”, analisa.

A equipe do Grupo de Estudos em Nutrição Animal e Humana do curso de Medicina Veterinária planeja seguir com os experimentos para utilizar a receita na alimentação dos animais tratados no Hospital Veterinário da UniFil.

Participam da pesquisa pelo Colégio Londrinense os alunos Danilo Augusto Pachemsky Ghelere, Maria Eduarda Correia Fernandes, Mariana Ferreira Jacomini, Pedro Henrique Marianoswki Fernandes e Rebeca de Brito Calheiros.

(com assessoria de imprensa)