24°
Máx
17°
Min

Estudantes ocupam também Colégio Adaile Maria Leite; já são três escolas em Maringá

(Foto: Google Street View) - Estudantes ocupam também Colégio Adaile Maria Leite
(Foto: Google Street View)

No fim da manhã desta quarta-feira (25), o movimento estudantil anunciou a ocupação da Escola Estadual Adaile Maria Leite, no Jardim Liberdade, a terceira em Maringá. Também nesta quarta-feira, os alunos ocuparam o Colégio Estadual Tancredo Neves, na Avenida Tuiti. No Gerardo Braga, a mobilização também continua.

Representantes do movimento estudantil se reuniram com uma representante jurídica do Núcleo Regional de Educação de Maringá, a advogada Ivone Andrade. Durante o encontro, eles relataram o atraso na entrega dos alimentos da merenda escolar, a má qualidade da refeição e problemas estruturais nos colégios.

Os estudantes destacaram que a ocupação do terceiro colégio foi motivada pela falta de diálogo com o governo do Estado, por meio do Núcleo Regional de Ensino. 

A assessora jurídica Ivone Andrade preferiu não se manifestar ao fim da reunião, o que foi registrado em ata. Nesta quinta-feira (26), o presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Hussein Bakri (PSD), virá a Maringá para conversar com o movimento estudantil.

SEED

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) informou que mantém contato com os estudantes por meio do Núcleo Regional. Também divulgou que acionou Patrulha Escolar, Ministério Público e Conselho Tutelar.

Os estudantes dos colégios estaduais ocupados em Maringá terão direito à reposição das aulas perdidas devido ao movimento. As equipes jurídica e de legislação escolar da Seed estão avaliando como isso será feito quando tiver fim a mobilização. Pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), o calendário deve possuir 200 dias letivos e 800 horas/aula por ano.

“O calendário já ficou bastante apertado devido à necessidade de reposição por causa das duas greves de professores do ano passado. Sobraram poucos dias para o recesso em julho. A Secretaria da Educação zela pelo atendimento aos estudantes, por isso acompanhamos toda essa situação para que os alunos não sejam prejudicados, pois devem ter acesso a todo o conteúdo necessário”, declarou a secretária da Educação, professora Ana Seres.

Colaboração Índio Maringá da Rede Massa