22°
Máx
14°
Min

Estudantes passam noite em colégio ocupado e terão aulas sobre direitos em Maringá

Estudantes passam noite em colégio ocupado e terão aulas sobre direitos

Estudantes passaram a noite no Colégio Estadual Gerardo Braga, ocupado em Maringá na quarta-feira (18). Eles divulgaram que se manterão mobilizados por tempo indeterminado até que o governo do Estado assuma um compromisso de melhorias na qualidade da merenda escolar e fim dos atrasos, principal pauta do protesto.

A ocupação segue pacífica e tem um cronograma já estabelecido para esta quinta-feira (19). Com doações da comunidade, os alunos tomaram café e terão aulas. Às 10h30, o tema será direito à cidade e, às 11h30, direitos fundamentais.

O vice-presidente da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes), Marcelo Carneiro de Miranda, informou que a escola está aberta para a comunidade, mas com o controle de entrada e saída para segurança da ocupação.

Os estudantes receberam diversas doações de alimentos da comunidade e estão fazendo as refeições no local. Incidentes foram registrados, com a quebra de um vidro e a pichação de um banheiro. Segundo Miranda, o banheiro já havia sido limpo na manhã desta quinta-feira e o conserto do vidro seria feito no período da tarde, custeado pelos alunos.

Na parte da tarde, os manifestantes também farão obras de melhorias na escola, com o conserto de corrimões que estavam danificados antes da ocupação. 

Posição do governo

A Seed informou que o Núcleo Regional de Ensino de Maringá acompanha desde a quarta-feira a situação do Colégio Estadual Gerardo Braga, com reuniões entre a direção do local e estudantes. Também comunicou que encaminha, nesta quinta-feira, um ofício ao Ministério Público e ao Conselho Tutelar relatando a ocupação.

NOTA

A Secretaria de Estado da Educação informa ainda que as 94 escolas da região já receberam, na semana passada, a segunda remessa da alimentação não perecível, além de carne. Essas unidades já receberam 143 toneladas de alimentos desde fevereiro. “Todos os alimentos adquiridos em licitação antes de serem encaminhados às escolas passam por um rigoroso controle de qualidade e somente após a aprovação eles são encaminhados às escolas”, explica a coordenadora de nutrição e alimentação escolar, da Secretaria, Márcia Stolarski.

Para este ano, o Estado destinará R$ 100 milhões para a aquisição dos alimentos que compõem a merenda escolar. A lista de alimentos que são entregues anualmente às escolas estaduais tem mais de 140 itens, divididos em três grupos: produtos não perecíveis, entregues quatro a cinco vezes por ano; alimentos congelados (carnes e peixes), encaminhados a cada 15 dias; e os alimentos da Agricultura Familiar, que são levados semanalmente às escolas.